Canal Curta
Canal Curta
Imagem Roberta Martinelli
Colunista
Roberta Martinelli
Som a pino
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Som a Pino: 'Até pensei em cantar na televisão'

Ava Rocha lança terceiro disco da carreira

Roberta Martinelli, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2018 | 02h00

Eu tenho um programa de música brasileira na TV, o Cultura Livre, e desde que o programa começou, em 2009, mando e-mails e mais e-mails para os jornais pedindo um espacinho de destaque para as atrações... Mas parece que o espaço para música brasileira é algo que deve ser muito batalhado tanto na TV quanto fora dela. E, por isso, eu fiquei com os olhos arregalados quando recebi uma mensagem de um programa do Canal Curta. Primeiro pensei: “Escrevo de música, não de TV”, depois me envergonhei, TV pode ser música também.

Parece que o espaço para a música brasileira na grade da televisão só diminui. Falo de programa de música mesmo e aqui não coloco reality show, competições e programas com playback. Então, que bonito que foi ver o programa Os Ímpares do Canal Curta, Você já conhece? É um programa documental cujo tema são discos experimentais dos anos 60 e 70 que não tiveram tanto reconhecimento quando lançados. Ontem foi o dia de Pedro Santos. A banda Baiana System preparou uma versão para a música Desengano da Vista e falaram sobre o disco. Russo Passapusso confessa: “Para mim foi, ainda está sendo, uma descoberta esse disco, ainda estou mergulhando muito”. No programa, acompanhamos alguns momentos de estúdio, decisões de como será a música, o respeito pela faixa e a adequação à linguagem da banda. Como encontrar a identidade dessa música dentro do Baiana System?

Domenico Lancellotti faz versão para Ritual Negro e relembra essa coisa de Pedro Santos criar instrumentos. O baterista diz: “Eu conhecia o Pedro Santos e, desde sempre, caçava ele nas fichas técnicas, mas o disco eu só conheci faz pouco tempo na verdade, mas eu estava ciente do Pedro, do trabalho dele, do Sorongo, cada hora ele assinava de um jeito, uma figura muito importante da música”. 

E Sebastião Tapajós emocionado relembra do amigo: “Pedro Santos, Pedro Sorongo, maravilhoso, um criador, um nato, e na época revolucionou todo mundo de percussão: Naná Vasconcelos, Airto Moreira, ele fez esse disco Krishnanda, eu participei por acaso do disco, tem uma faixa ou duas que eu toco”.

Nos próximos programas, tem Marku Ribas por Teresa Cristina e B Negão, Sérgio Sampaio por Tulipa Ruiz e Negro Leo, Jorge Mautner por banda Tono e Exército de Bebês, Arthur Verocai por Letícia Novaes (Letrux) e Paraphernália e Walter Franco por Ava Rocha e As Bahias e a Cozinha Mineira. Belíssima curadoria e direção musical de Berna Ceppas. Programas assim farão com que mais gente conheça discos que não estão em todos os canais e jornais, mas, quando entram, ficam! “A história faz justiça”, diz Domenico. Em alguns casos, sim!

MÚSICA DA SEMANA

'Joana Dark'

Joana Dark é uma das faixas do novo disco da cantora e compositora Ava Rocha. O terceiro álbum, Trança, foi lançado na semana passada em todas as plataformas. Só nessa faixa participam 13 músicos, um funk com coro de Linn da Quebrada, Karina Buhr, Alessandra Leão, Victoria dos Santos e Ariane Molina. Já ouviu? 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.