Solidão humana é tema de peça

Daniel é um homem condenado por si mesmo. Com medo de se entregar definitivamente a uma paixão homossexual, em troca de galgar uma vida previsível como chefe de departamento de uma universidade, vive mergulhado em culpa e é atormentado por delírios punitivos. Esse é o tema de Espelhos e Sombras, peça do dramaturgo e jornalista Avelino Alves, que reinaugura um inusitado espaço para apresentações teatrais em São Paulo, a boate SoGo, nos Jardins."A idéia é incrementar os eventos culturais dentro da boate", diz uma das produtoras da peça, a atriz Ana Paula Sant´ana. Ela e Guilherme Tavares, também ator e produtor, foram os responsáveis pelo convite a Alves e ao diretor do espetáculo, o ator Alexandre Roit, um dos integrantes do grupo Parlapatões, Patifes & Paspalhões. Na peça, que tem 50 minutos de duração, Ana Paula personifica Julia, antigo amor do professor Daniel, morta num acidente. Guilherme é Vitor, o ex-amante do professor enrustido. O ator Luís Amorim representa Daniel."A peça é mais que um simples retrato da comunidade gay", observa Roit, que faz sua estréia como diretor. "Como Parlapatão, a gente sempre faz de tudo, mas digamos que esta é a minha primeira direção profissional." Para ele, o texto foi escrito de forma a ultrapassar os contornos do universo gay. "Por acaso os dois personagens são homossexuais, mas é sobretudo uma peça que fala sobre o amor", afirma. Para Alves, autor de Não me Abandones no Inverno (texto premiado no Concurso de Dramaturgia do Sesi, em 95) e Água fora da Bacia (texto cômico escrito - e montado - para os Parlapatões, em 99), Espelhos e Sombras é uma visitação ao seu universo favorito: a incomunicabilidade humana. "As pessoas são colocadas ao longo do nosso caminho para facilitar a transição solitária pela vida", diz. "Mas continuamos nascendo, crescendo, nos desenvolvendo e morrendo sós." Para ele, Daniel é o exemplo claro desse ser que, apesar das chances de amar e ser feliz, continuou a dura trajetória da solidão.Sombras - O autor explica que o título da peça remete à imagem de um homem que ao se olhar no espelho só vê sombras. "As sombras são as pessoas que poderiam ter mudado sua vida (no caso, a de Daniel) e que ele deixou para trás, por medo e insegurança", descreve Alves, que acompanhou alguns ensaios da peça, iniciados há três meses.A história se divide em dois momentos principais. No primeiro, Daniel recapitula sua relação com Vítor. É o plano do imaginário. Num segundo momento, há o encontro real entre os dois, passados quatro anos do término da relação. Nesse encontro fica-se sabendo, também, a importância que Júlia, no passado, teve na precária vida afetiva do professor."Daniel é a personificação de um grande conflito de sentimentos", ressalta o titular do papel, o ator Luiz Amorim, que atuou em A Noite dos Assassinos e Deus lhe Pague, com direção de Bibi Ferreira. "Interpretar um homosssexual, ainda mais numa boate, é uma novidade para mim."Para o jovem ator Guilherme Tavares, o personagem Vítor é a realização do que "os outros personagens não conquistaram. Ele é a coragem personificada, ousou assumir as suas escolhas até o fim."A encenação do tema passa longe do palco italiano. Roit optou por utilizar os ambientes da boate, do bar às escadas e plataformas. A primeira cena ocorre no bar, entre copos e garrafas, sobre o balcão e em volta dos sofás. O segundo ambiente é a pista de dança, onde os atores se espalham. Um pequeno tablado, na própria pista, recebe os personagens do encontro real, evocando o ambiente da sala da casa de campo de Daniel."A peça está montada, mas o desafio ainda não foi concluído: o público ainda não chegou", reflete o diretor. Para ele, com a experiência proporcionada pelos Parlapatões, fazer teatro envolve não apenas atores em cena, mas todos os detalhes que compõem um evento, "da bilheteria aos assentos dos espectadores", exemplifica. "E só saberemos o que funciona e o que não funciona com a presença do público." Espelhos e Sombras será apresentada antes da abertura da boate. O ingresso para o espetáculo continuará valendo para quem quiser continuar na casa.Espelhos e Sombras. Drama. De Avelino Alves. Direção de Alexandre Roit. Duração: 1h10. Sexta e sábado, às 21 horas; domingo, às 20 horas. R$ 15 e R$ 20. SoGo Disco Bar. Alameda Franca, 1.368, tel. 3061-5513.Até 29/10. Quarta, somente para convidados, sexta-feira para público

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.