Sokúrov do cerrado? Não, o eclipse do gênero humano

Sokúrov do cerrado? Não, o eclipse do gênero humano

Grandes diretores brasileiros de teatro volta e meia se exercitam no cinema, na maioria das vezes experiências únicas, só para testar a mídia. Moacyr Góes é a exceção, mas se exercitou principalmente no cinema comercial e não ganhou crédito junto à crítica. Felipe Hirsch tenta o cinema autoral. E divide o crédito da direção com Daniela Thomas, que começou no projeto como diretora de arte, mas foi contribuindo cada vez mais, a ponto de se tornar imprescindível.

Crítica: Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

24 de março de 2010 | 00h00

Os dois têm sido parceiros constantes. Agora mesmo, estreiam nova peça, com o sugestivo título de Cinema. No caso de Insolação, Hirsch filmou mais, Daniela montou mais e assim dividiram as funções, eles contam na entrevista ao lado. Insolação já foi comparado a Alexander Sokúrov, um Sokúrov do cerrado. O filme trata da nostalgia do amor inalcançável numa cidade fantasma. Brasília é impressionante fotografada em preto e branco. Hirsch e Daniela esvaziam a cidade do seu elemento humano. Mais do que Sokúrov, a fonte talvez tenha sido Michelangelo Antonioni, O Eclipse.

O eclipse do gênero humano, expresso em meia dúzia de personagens - o garoto que se inicia nos mistérios do amor, a garota ninfomaníaca, a jovenzinha, qual Lolita, o casal e o narrador. Os personagens, que atendem por nomes um tanto estranhos - Vladimir, Andrei, Zoyka -, recitam/teatralizam suas falas sem lograr comunicação. O tom é desesperançado. O amor buscado é inalcançável. A perda é inevitável. A estética pode ser a salvação e os caminhos passam pelo quiosque, onde as pessoas param mas não se reconhecem. O interessante do quiosque é que se trata quase de uma criação cenográfica de Daniela (leia ao lado). No conceito do filme, ele é (Yasujiro) Ozu, o mestre do minimalismo japonês.

Felipe Hirsch tem montado peças em que a palavra, o Verbo, expressa o mal-estar contemporâneo. Na Educação Sentimental do Vampiro, em Não sobre o Amor, ele ama o ator e busca sempre o impacto cenográfico. Veio de Daniela Thomas a ideia de filmar em Brasília e o cenário, aqui, é decisivo. O filme merece respeito, mas não toca nem emociona. É teatral, mas não porque o diretor não tenha sabido disfarçar sua origem. Teatro, filosofia e literatura alimentam a visão de mundo de Felipe Hirsch. Os textos são ditos teatralmente, como se os atores declamassem suas falas. Paulo José e Simone Spoladore, embora pertencentes a gerações diversas, são bichos de cinema. Nem eles humanizam seus personagens. Insolação é um filme - duro, difícil, alguns dirão pretensioso - que se vê "de fora".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.