Skármeta ganha o Médicis na França

O escritor chileno Antonio Skármeta, atual embaixador de seu país na Alemanha, ganhou hoje o prêmio Medicis de romance estrangeiro por As Bodas do Poeta. Ele disse ter escrito o romance por sentir que "como romancista, teria que elaborar a parte européia" de seu passado e de seu continente. "Parti do mais próximo, que foram meus avós, somando o ponto de vista estilístico de minha geração, cuja caracteriza é o olhar poético e irônico sobre todos os aspectos da vida", disse ele após receber o prêmio.Conhecido internacionalmente desde 1996, com a adaptação cinematográfica de O Carteiro e o Poeta, do cineasta Michael Radfort, Skármeta considera que seu novo romance, fruto de uma história contada por sua avó, é muito latino-americana, sobre um tema europeu". E acrescentou que "há uma reprodução de um momento atual, "quando o império austro-húngaro de 1913 sofre um atentado e pensa como responder a este atentado, qual o volume da reação que sofrerá, e encarrega o almirante de um barco poderoso que lhe dê uma lição exemplar aos habitantes da ilha"."Minha avó contou-m,e nada mais que uma coisa, que na ilha onde ela vivia e havia nascido houve um casamento luxuoso, que durou três dias e três noites de festas e dançaas e que ela sempre sonhava com este casamento", recordou."Depois, eu acrescentei a esta imagem outros sentidos, outras metáforas, como a defesa da liberdade, e isso aconteceu com meus antepassados, e alguns deles sairam da ilha porque odiavam o militarismo e não tinham vontade de lutar por um império ao qual não pertenciam. Eram pacifistas", acrescentou.Sobre o prêmio, Skármeta se declarou encantado por ser"um dos mais significativos dos que recebeu em sua vida e por ter um grande prestígio", com o qual foram premiados amigos como Umberto Eco e Julio Cortázar.

Agencia Estado,

29 de outubro de 2001 | 17h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.