Silvio Santos acusa Globo de explorar seu sequestro

É extremamente ético vender jornais à custa da desgraça de pais desesperados e de filhas seqüestradas. A ironia foi feita nesta terça-feira pelo empresário e apresentador de TV, Sílvio Santos, sobre o fato de as Organizações Globo terem contrariado um pedido seu, ao noticiar o seqüestro de sua filha Patrícia Abravanel antes que o caso fosse solucionado. A citação aparece num comunicado que o SBT distribuiu, em resposta a uma nota emitida pela Globo na segunda-feira.A nota da Globo, que provocou a resposta do SBT, acusava a rede de Sílvio Santos de falta de ética, em razão do programa "A Casa dos Artistas", lançado na noite de domingo pelo SBT ser considerado como cópia do holandês "Big Brother", cujos direitos de produção no Brasil foram adquiridos pela Globo.A resposta do SBT não poupa ironia ao império dos Marinho, mencionando sua rede de televisão aberta e fechada, a rede de rádio, a rede de jornais e revistas ("com que ainda não conseguiu eliminar a concorrência") e sua presença no mercado fonográfico. "Tal é a perseguição que lhe é movida pelo insaciável SBT que a Globo ficou com a exclusividade apenas de todo o futebol brasileiro e das próximas duas Copas do Mundo".A Globo distribuiu uma tréplica do caso, na tarde desta terça-feira, endossando que o que importa é que o SBT "tem consciência do valor dos direitos que a TV Globo adquiriu, porque durante vários meses negociou esses mesmos direitos com a Endemol (detentora dos direitos de produção do "Big Brother"), teve acesso a todos os detalhes do formato agora copiado e, quando suas negociações fracassaram, comprometeu-se a não utilizá-los."A Globo não rebate as acusações, sob a alegação de que o tom da nota do SBT "não é de seriedade" e é "cheia de ressentimentos".

Agencia Estado,

30 de outubro de 2001 | 22h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.