BBC
BBC
Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Sherlock no Brasil de Bolsonaro

Bolsonaro é um caso de dedução eleitoral equivocada. Eleito com a promessa de ordenar e domesticar o familismo, o fanatismo ideológico e a corrupção, ele realiza o justo oposto

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2021 | 03h00

Não há nada pior do que assistir a uma conspiração contra instituições. Ver as molduras que organizam a vida serem atacadas. Quando Shakespeare diz que o mundo é um palco e todos somos atores, ele revela o elo entre o todo (o roteiro como instituição) e a parte (a encenação como sua manifestação).

Encenar é interpretar. Nossas falas não seriam entendidas se não falássemos todos a língua portuguesa. Para que o drama se cumpra, ele tem que existir antes dos atores que o encenam e dos expectadores capazes “deduzir” de suas cenas o significado que nele se encerra. 

Somos simultaneamente demarcadores e demarcados por molduras e nos assustamos quando elas são rompidas. Imagine um juiz arrotando depois de uma sentença; um senador arrumando a dentadura numa CPI; ou um presidente ameaçando dar porrada em jornalistas...

Molduras revelam níveis de realidade. Indicam que é e do que não é. O que você deduz quando, em Chicago, você vê uma cena de perseguição policial? Perplexo, você exige uma moldura para assentar o que testemunhou. Foi um assalto? Não, diz alguém o acalmando, é o Brian De Palma, refilmando Os Intocáveis. 

A resposta, roubada de um livro do sociólogo Irving Goffman, satisfaz seu senso de realidade. A expressão “é sério” faz parte de um mundo infiltrado por brincadeiras, mentiras, trotes e fake news de todo tipo de moldura.

O golpe pode ser lido como uma moldura implantada numa hora de indecisão. O que hoje amedronta é a confusão de molduras promovendo insuportáveis inseguranças. Quando sentenças e operações contra uma corrupção abusiva são neutralizadas e poderosos são inocentados, cria-se um paradoxo porque foi justo a sua exposição que elegeu o “supremo mandatário da nação” que hoje atua numa clara desconstrução institucional da República. 

O que se pode deduzir quando o Poder Executivo – esse poder desempenhado por um único ator e que por isso mesmo tem muito mais potência e, consequentemente, uma implacável responsabilidade numa sociedade familística e populista – produz imprecisão e insegurança? 

A expressão “esticar a corda” é óbvia. Mas o que fazer quando o cabo de guerra é parte do discurso de um presidente leniente com seus aliados (e filhos) e implacável com seus adversários que ele toma como inimigos mortais? Um presidente que quer demitir ministros do STF e assustar o Congresso Nacional no dia de uma votação contrária a um dos seus projetos mais retrógrados — de mudar a forma de votação? Um presidente que nega vacinas e assim recusa a ordem biológica que é a moldura da vida no planeta? 

Testemunhamos um claro projeto de destruir a interdependência clássica dos três poderes constritivos da República, com a intenção de reduzi-los ao Executivo. O que fazer com um presidente cuja rotina objetiva destruir molduras e recusar a realidade, como prova a sabotagem-negociata das vacinas, ao lado do descumprimento das promessas que o elegeram? 

Bolsonaro realiza o contrário do que prometeu. Ele é um presidente embaralhador. Para seus seguidores, é o “mito” redentor de um Brasil cuja história política vive de personagens salvacionistas, “fortes” e “novos” esses sinalizadores de decepcionantes molduras de progresso e de regressões intoleráveis.

Enquanto, pois, tentamos deduzir o sentido de tanta irracionalidade, está em curso uma nova moldura personalista agressiva para a qual não há resposta dentro da nossa moldura de cordialidade e jeitinho.

Jair Messias Bolsonaro é um caso de dedução eleitoral equivocada. Eleito com a promessa de ordenar e domesticar o familismo, o fanatismo ideológico e a corrupção, ele realiza o justo oposto com o ônus de a isso adicionar uma tenaz desconstrução. O que deduzir disso tudo?

Somos pródigos em tomar – ou deduzir – gato por lebre. 

Uma anedota ilustra o que passamos.

Sherlock Holmes e dr. Watson estavam acampando. Armaram a barraca sob as estrelas e foram dormir. 

No meio da noite, Holmes acordou e disse:

“Watson, olhe para as estrelas e me diga o que está vendo.”

“Estou vendo milhares e milhares de estrelas.” Holmes perguntou:

“E o que você deduz disso?” Watson respondeu: “Ora, se existem muitos milhares de estrelas e, se em torno delas existirem planetas, é provável que alguns sejam como a Terra. E, se houver outros como a Terra, é possível também que haja vida”.

Holmes então disse: “Watson, seu idiota, isso quer dizer que alguém roubou a nossa barraca!”.

É ANTROPÓLOGO SOCIAL E ESCRITOR, AUTOR DE ‘FILA E DEMOCRACIA’

Tudo o que sabemos sobre:
Roberto da Matta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.