Sex symbol de duas gerações

Em sua sexta passagem pelo Brasil, o cantor norueguês Morten Harket (líder de uma banda pop inesquecível dos anos 1980 e 1990, o A-ha) desfila um rosário de hits esta semana em São Paulo para fãs extremados. Sex symbol de duas gerações, Morten continua com a voz em forma, aos 52 anos. Ele está em turnê promovendo seu último álbum, Out of My Hands.

O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2012 | 03h12

A banda que o acompanha é praticamente a mesma de apoio do A-ha (obviamente que os dois titulares do grupo, o tecladista Magne Furuholmen e o guitarrista Paul Waaktaar, são insubstituíveis). Mas Morten garante um túnel do tempo para os fãs, que vão ter o privilégio de reencontrar o seu famoso falsete e o synth pop que encantou e chegou a reunir 160 mil pessoas no Rock in Rio 2, em 1990 (um recorde). Seus hits de rádio dariam para fazer a programação durante um mês a fio: Take on Me (que sempre encerra o show), Stay on These Roads, Crying in the Rain, Hunting High and Low, e por aí vai.

"Se as nossas canções sobreviveram ao tempo, foi porque nós tentamos compor sobre as coisas que conhecíamos, que vivenciávamos. Aquilo que era a nossa verdade naquele momento, como seres espirituais. Eu me mantenho à procura das coisas que me são essenciais. Nunca focamos no sucesso. Se você ouve o rádio, vê que há uma luta ali para testar as pessoas, estão à procura de algo que ludibrie as pessoas, mas não há uma verdade", disse Morten, em entrevista recente ao Estado.

Seu disco Out of My Hands é o seu quinto álbum solo de estúdio, e Harket não cogita voltar ao A-ha tão cedo (embora tenha tocado nos dias 14 e 15, em Oslo, com os antigos colegas). Diz que está preocupado com o futuro e em olhar para frente, não para trás. Mas tem orgulho de todos os seus hits. "Não acredito em música que carregue lemas, advertências, mas que ajude a revelar qual é a essência do humano", afirmou. / JOTABÊ MEDEIROS

MORTEN HARKET

Quando: Quarta, às 21h30. Onde: Credicard Hall. Avenida das Nações Unidas, 17.955, Santo Amaro. tel. 2846-6010. Quanto: R$ 70/R$ 280.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.