Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Seu Silvio

É, caro leitor, no momento em que você estiver lendo isso, eu vou estar realizando um sonho: conhecer o Silvio Santos!

FÁBIO PORCHAT, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2014 | 02h10

Hoje, domingo, eu vou participar de algum programa daqueles bem anos 80 que o Seu Sílvio apresenta no SBT! Meu Deus do céu, eu tô há uma semana na tensão! Torce por mim!

Eu morei 19 anos em São Paulo, logo, eu passei muito tempo da minha infância e adolescência ouvindo "quem quer dinheiro"! Eu sou fã do Sílvio (já peguei intimidade) desde sempre. Ele é o MacGyver da televisão brasileira. Consegue, com uma simples pergunta, ficar dez minutos entrevistando a mesma pessoa. Sem dizer nada, sem acrescentar nada àquilo, só com uma informação. Ele manda um: É verdade que você é aeromoça? E passa os próximos minutos dizendo: então você gosta de voar. Quer dizer que você trabalha num avião. Então você não é engenheira. Você não pilota, você ajuda no serviço de bordo. Você então é uma pessoa que viaja muito. Gênio! É uma espécie de Sherlock Holmes do óbvio ululante.

Ele é o homem mais rico do Brasil, tem uma emissora de televisão dele, e faz o que quiser, a hora que quiser, porque ele é o dono da bola e quem manda no jogo é ele. O seu programa é o de maior audiência no SBT, desde sempre. E o mais surreal é que não é uma superprodução, ao contrário, ele passa duas horas todo domingo à noite conversando com a Helen Ganzarolli e pedindo pro auditório adivinhar qual a fruta que ela mais gosta, se ela fosse um anfíbio, que anfíbio ela seria... Simples assim.

Ele roda uma roleta e espera ver o que vai dar. Ele pergunta "qual é a música" e, o mais impressionante, você fica ligado ali, querendo saber qual é! Ele é um raro exemplar de uma pessoa sonora. Só de falar o nome dele, já veio com certeza na sua cabeça aquela voz inconfundível. Que outra pessoa é assim no mundo? E eu tô torcendo pra presenciar um Silvio Santos clássico.

Quero que ele erre meu nome, e leia na plaquinha no meu peito, que ele não faça a menor ideia de quem eu seja, pergunte de onde eu sou, se eu sou da internet, se existe isso mesmo de internet, que ele fale "No duro", quero que ele ria pelo menos sete vezes daquele jeito que, só de citar aqui, eu tenho certeza que você imaginou, quero que ele fale "bem bolado", quero que ele chame o Roqueeeeee, quero que ele fale da filha de número X dele, quero que ele enrole dez anos pra dizer se a minha resposta está certa ou errada, quero que ele humilhe alguém da plateia daquele jeito dele que ninguém fica nem bravo nem constrangido, quero que ele jogue dinheiro para aquelas mulheres da plateia, quero que ele fale "aguardeeeeem", quero que ele fale "vai pra lá!", quero que ele seja o mais Silvio Santos possível, para eu poder dizer pros meus netos que eu conheci o cara mais incrível da televisão brasileira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.