Sérvulo Esmeraldo abre mostra 'Simples Como o Triângulo'

"Na sua aparente simplicidade, o triângulo é, na realidade, o ''dono'' das matemáticas. Dono é pouco. A mais simples das figuras geométricas, com seus três vértices, dinamiza um espaço plástico definido como nenhuma outra forma." Na entrada da Galeria Raquel Arnaud, esse trecho estampado de uma carta que o artista cearense Sérvulo Esmeraldo escreveu ao amigo Zaza Sampaio condensa a maneira direta - e sempre simples - com que o escultor, gravador e desenhista trata de sua obra, pautada pela geometria e pela experimentação. E a definição de Sérvulo sobre o triângulo conserva, ainda, uma espécie de pensamento fundamental que vemos desdobrado no conjunto de esculturas construtivas que ele apresenta em sua nova exposição em São Paulo.

AE, Agência Estado

21 de junho de 2012 | 10h11

Como a forma pura pode engendrar tantas peças diferentes? Na mostra "Sérvulo Esmeraldo - Simples Como o Triângulo", que será inaugurada nesta quinta à noite na Galeria Raquel Arnaud, há cerca de 30 peças escultóricas do artista, desde uma réplica que de sua primeira escultura feita em metal, em 1954, até suas mais recentes criações, como uma obra que ele projetou "há 15 dias", ele conta. A forma triangular torna-se um mote da mostra, mas na verdade o que está em jogo é a apresentação da natural persistência construtiva do artista, agora com 83 anos. "Quanto eu saí do Brasil (1957), eu já trabalhava com o triângulo, mas não tinha a pureza que tem hoje na minha obra", diz Sérvulo Esmeraldo. Esculturas pequenas ou de escala pública, arte cinética (tendo como destaque peças da série "Excitables" - Excitáveis -, dos anos 60, painéis com fios de lã ativados pela energia eletrostática), livros-objetos - tantos são os campos que ele explora, por décadas, em sua vasta carreira, a partir da simples geometria.

No ano passado, a Pinacoteca do Estado dedicou ampla retrospectiva ao escultor, gravador e desenhista, mostra que perpassou sua trajetória desde os anos 50. Nascido no Crato, Ceará, o artista viveu em São Paulo entre 1951 e 57; mudou-se para Paris, onde residiu até 1980; e depois retornou ao Brasil, escolhendo Fortaleza como morada. A recente retrospectiva na Pinacoteca foi um resgate do artista em São Paulo, cidade em que não expunha desde 2001. Agora, a mostra na Galeria Raquel Arnaud, também guarda uma série de resgates históricos na trajetória de Sérvulo, escultor que nunca deixou de lado o pensamento gráfico.

Como a reedição do livro-objeto "Trilogia", de 1976, que o artista criou em parceria com o poeta Péricles Eugênio da Silva Ramos. Na época, a obra, uma das pioneiras do gênero no Brasil, foi editada e lançada em São Paulo na então galeria que a marchande Raquel Arnaud tinha em parceria com Mônica Filgueiras. A reedição atual, feita com a editora Cosac Naify, é restrita, de apenas 35 exemplares (com preço de R$ 2,5 mil cada).

Outro resgate da obra de Sérvulo, agora também incluído no centro de documentação do Instituto de Arte Contemporânea (IAC), foi a reconstrução de duas esculturas de chapas de aço criadas em 1997 e destruídas depois de uma exposição na Funarte do Rio. As obras estão no jardim da Galeria Raquel Arnaud. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

SÉRVULO ESMERALDO

Galeria Raquel Arnaud (Rua Fidalga, 125). Tel. (011) 3083-6322. 10 h/ 19 h (sáb., 12 h/ 16 h; fecha dom.). Grátis. Até 18/8. Abertura quinta, 19 h, para convidados.

Tudo o que sabemos sobre:
exposiçãoSérvulo Esmeraldo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.