Divulgação
Divulgação

Serviço de streaming aposta em clássicos do cinema e da TV

Lançada no dia 28, a Oldflix é uma iniciativa brasileira, de olho no público que gosta de produções retrô

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2016 | 16h00

Foi lançada oficialmente na última segunda-feira, 28, a Oldflix, um serviço de streaming voltado especialmente para quem gosta dos clássicos do cinema e da televisão – títulos normalmente difíceis de ser encontrados em serviços semelhantes, como na popular Netflix. À frente do projeto está uma empresa brasileira, que planejava esse início de atividade da Oldflix sem muito alarde, para que os ajustes técnicos fossem feitos durante a fase de testes, numa outra plataforma. Mas a história viralizou e a busca pelo serviço extrapolou as expectativas, fazendo com que todo o processo fosse acelerado.

O serviço funciona como o de seus pares. O usuário se cadastra e pode degustar o serviço durante uma semana gratuitamente. Se quiser continuar, faz sua assinatura e paga, por mês, R$ 9,90, contando a partir da data da inscrição. Há títulos para todos os gostos, de filmes e séries de TV, dos anos 1920 aos 1990, incluindo de A Felicidade Não Se Compra (1946), de Frank Capra; Ladrões de Bicicletas (1948), de Vittorio De Sica; Sansão e Dalila (1949), de Cecil B. DeMille; Marcelino Pão e Vinho (1955), de Ladislao Vajda; O Eclipse (1962), de Michelangelo Antonioni, até Grease – Nos Tempos da Brilhantina (1978); Um Lobisomem Americano em Londres (1981); Admiradora Secreta (1985); entre muitos outros. Entre os seriados, estão os saudosos Jeannie É Um Gênio e A Feiticeira.

Segundo os idealizadores – que, no momento, dizem preferir responder pelo projeto em conjunto, sem eleger um único representante –, como se trata de obras antigas e raridades, eles se preocupam com questões como a qualidade da imagem e, por isso, ainda não colocaram uma quantidade representativa no ar. “No momento, temos cerca de 800 títulos disponíveis e mais de 10 mil já licenciados, prontos para serem lançados estrategicamente. Estamos há menos de uma semana no ar e a aceitação por parte do público foi surpreendente, o que acaba impulsionando o processo”, eles afirmam, em entrevista ao Estado, por e-mail, na sexta-feira, 1.º. Para já esclarecer de antemão possíveis rumores sobre violações de direitos autorais, eles garantem que todos os filmes são licenciados e seus direitos “legalmente adquiridos, por tempo determinado, junto às empresas/distribuidoras especializadas na compra e venda desse tipo de produto”.

Os títulos que ficam disponíveis no catálogo do serviço são escolhidos por uma curadoria interna, realizada por um especialista em cinema clássico – que faz a seleção das obras com base no acervo de filmes dos quais eles têm o licenciamento e em futuras aquisições. E leva-se em consideração ainda o retorno do público nesse processo de construção e renovação do catálogo.

Ainda nesse estágio inicial, os filmes só podem ser assistidos no site www.oldflix.com.br (uma parte em versão legendada e outra, dublada). Mas asseguram que estão trabalhando no desenvolvimento de um aplicativo. Sobre as inevitáveis comparações com a Netflix, eles admitem que a Oldflix foi inspirada em modelos que já deram certo, como o famoso serviço de streaming. Mas apontam diferenças. “Uma tem um target, a outra tem outro, até mais eclético. Além disso, a Netflix caminha no desenvolvimento de produções próprias, deixando uma lacuna para a nossa comunidade, que gosta do retrô.”

E que público é esse que eles querem atingir? “O nosso pensamento é que o Oldflix pertence a um público que vai dos 8 aos 80, uns por saudosismo, outros por curiosidade”, respondem os idealizadores. “Não somos só uma plataforma de assinaturas, somos uma comunidade.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.