Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Séries

Oi, meu nome é Fábio Porchat e eu sou viciado em série de TV americana. Eu já falei um pouco sobre isso nesse espaço, mas agora a coisa tomou uma proporção descabida. No começo eu achava Seinfeld muito engraçado, assistia quando dava, a TV a cabo ainda não tinha se estabelecido direito. Aí veio Friends que já me colocou num outro lugar de ansiedade.

FÁBIO PORCHAT, O Estado de S.Paulo

15 Março 2015 | 02h06

Eu assistia a todos os episódios e alguns eu revia na reprise. A sede pela próxima temporada ainda não era muito grande, mas a coisa começou a ficar mais pesada com House. Foi um período muito difícil de aceitar que eu estava refém de uma coisa da qual eu não tinha mais controle. Com Lost, foi quando eu perdi completamente a noção da realidade. Não sabia mais se era dia ou noite lá fora, só me interessava assistir ao próximo episódio no DVD.

Assisti às seis temporadas de uma vez só e foi difícil retornar ao convívio social depois desse um mês bastante duro pra mim. Foi aí que eu comecei a usar duas ao mesmo tempo. Assistia a The Good Wife e Dexter, intercalando quando dava. Já deixava de ir a alguns compromissos, não sabia se eu estava vivendo aqui ou na cena de um crime que seria solucionado a qualquer momento. Graças a Deus, passei por 24 Horas sem grandes danos.

Homeland foi um pouco mais complicado porque veio junto com Game of Thrones e Boston Legal. Eu não vou nem entrar no assunto The Office e Uma Família da Pesada, porque são recordações que me machucam. A minha família teve que intervir e eu consegui terminá-las escondido dos amigos. E quando parecia que minha vida finalmente estava controlada, acompanhando só um inofensivo The Black List, me apareceu a Netflix.

E agora eu tenho as séries 24 horas do meu lado, no meu celular para eu poder assistir em qualquer lugar, a qualquer momento... Socorro!!! Estou vivendo tempos difíceis de terceiras temporadas de House of Cards e The Walking Dead, com pelo menos outras quatro séries pulando na minha frente e se oferecendo sempre que eu abro minha internet. Eu sonho com zumbis. Não é uma piada, é verdade.

Eu tenho deixado de fazer coisas importantes na minha vida, às vezes de necessidade fisiológica, pra saber o que vai acontecer com aqueles sobreviventes malditos num mundo tomado por seres que comem cérebro. Isso não é vida! Eu venho por meio desta coluna pedir ajuda, uma palavra amiga que seja, porque eu não tenho mais condições psicológicas de seguir em frente. Isso é um apelo!

Eu não tê nem entrando no mérito de que ainda faltam chegar ao Brasil: Fargo, as séries da Amazon, a nova de True Detective... E já que tô nesse momento de desabafo, também vou falar: achei Mad Men chato! Ah, falei! Saiu de mim! Me sinto até mais leve. O que pesa é que eu nem comecei ainda a assistir a Breaking Bad e são oito temporadas. Mas eu tenho fé de que um dia eu consiga voltar a dormir pelo menos seis horas e transar de vez em quando. Torce por mim!

Mais conteúdo sobre:
fabio porchat series de tv

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.