Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Série manda espectador de volta para o divã

Com 35 episódios, 2ª temporada de 'Sessão de Terapia' tem novos pacientes

CRISTINA PADIGLIONE , O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2013 | 02h16

No set, uma casa na região do Pacaembu, em São Paulo, o tom da conversa entre Selma Egrei e Zécarlos Machado beira o sussurrar. Atores habituados à alta dramaticidade demandada pelo palco do teatro, os dois tratam de conter gestos, tom de voz e emoções. Por trás das câmeras, o expediente do diretor Selton Mello é enxugar o gestual de ambos, quase oprimir as reações de seus terapeutas - ele, protagonista de Sessão de Terapia, Théo Cecatto; ela, Dora, terapeuta e supervisora dele. Com 35 novos episódios, estreia dia 7 a segunda temporada da versão brasileira da série adaptada do original israelense Be Tipul, de Hagai Levi.

"Aqui é como o Selton fala: estamos fazendo a anti novela", conta Selma Egrei. "Na novela você tem que chorar para mostrar que se emocionou. Aqui é o oposto: se você se emociona com uma fala e ameaça chorar, ele (diretor) fala: 'opa, vamos secar isso, seca, seca'. E deixa a emoção para o telespectador."

A nova temporada apresenta novos pacientes, com uma quase reincidência de João (Celso Frateschi Jr.) e Ana (Mariana Lima), que agora submetem o filho, Daniel (Derick Decouflé), aos cuidados de Théo. Obeso e vítima do insalubre ambiente de discussões entre os pais, o menino mereceu menção especial do diretor. "Talvez seja o ator que venha mais pronto: por ele ser inexperiente, tem um frescor muito grande, é quase uma não atuação, quase o que fico tentando buscar nos outros", diz Selton. "Se o ator atua demais, fica um ator atuando, se ele não faz nada, é nada, vira documentário, é muito tênue."

Toda a experiência de Derick antes de Sessão de Terapia foram duas figurações, conta o produtor da série, Roberto D'Ávila, da Moonshot Pictures. Daniel é o paciente das quintas-feiras, dia destinado a seus pais na primeira temporada.

Às segundas-feiras, a paciente é Carol Martins (Bianca Comparato). Aos 22 anos, estudante, ela tem um linfoma, mas nunca falou sobre isso com ninguém.

Às terças, é dia do empresário Otávio Carvalho de Medeiros, personagem que traz Cláudio Cavalcanti de volta à TV. Acionista de uma empresa química, ele terá um ataque de pânico e sentirá a perda de controle ao ver a filha partir para uma comunidade hippie e ter sua autoridade perdida na sua companhia.

Quarta é dia da advogada Paula Varella, papel que traz outra figura ausente da TV, a atriz Adriana Lessa. Bem-sucedida, mas sem filhos, ela entra em crise ao saber que seus óvulos estão envelhecendo.

Às sextas, Théo recorre a Selma e trava o que eles chamam de "jogo de xadrez", um "duelo intelectual". É quando o contido psicanalista escancara ao espectador todos os seus fantasmas.

A segunda temporada também vem com novo cenário principal. Separado da mulher, Théo mora sozinho em um apartamento e atende em um cômodo do novo lar. Vêm à tona a crise com o pai, que ele se recusa a visitar, internado em um asilo. "Acho que ele vê o pai ainda com olhos de menino", define Zécarlos Machado. "O pai se separou da mãe e foi viver com outra mulher, o que é muito comum, mas a mãe era depressiva, tentou se matar várias vezes, e ele tinha então 14 ou 15 anos." Théo também será acusado de negligência em processo movido contra ele pelo pai de Breno (Sérgio Guizé), que se matou na primeira temporada.

Terceira temporada. Adaptada em mais de 30 países, Sessão de Terapia tem, originalmente, duas temporadas, mas Selton Mello e Roberto D'Ávila já têm planos para uma terceira safra. Segundo o produtor, Hagai Levi, o autor do original, não se opõe - nem a uma terceira temporada, e a HBO chegou a produzir a sua nos Estados Unidos, nem a mudanças nos perfis dos pacientes.

"As maneiras como as relações se dão são muito diferente em Israel", justifica D'Ávila. "As pessoas lá são muito diretas, falam as coisas na cara, e a gente é o contrário: a gente é dissimulado, evita falar, fala sem falar, usa muito eufemismo. Então, fazemos uma adaptação bem agressiva para que esses personagens sejam brasileiros", diz.

Assistida por mais de 9 milhões de pessoas, Sessão de Terapia encabeçou a lista de séries mais vistas em 2012 pelo Muu, serviço de vídeo sob demanda da Globosat na web. A boa receptividade incentivou o lançamento da primeira safra em DVD, que acaba de sair, e de um livro (Ed. Arqueiro) em que o terapeuta fala de seus primeiros pacientes em primeira pessoa. O texto é de Jaqueline Vargas - sai dia 24.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.