Série investiga as profecias maias

Numa entrevista em rede nacional, o presidente Fernando Henrique Cardoso confessou que foi pego de calças curtas pela atual crise de energia. Ele e seus ministros. No entanto, sem falar nos alertas vindos de gente menos otimista, de vários setores da sociedade, até os Maias, há pelo menos meio milênio, já previam o cataclisma. E deixaram tudo escrito nas pedras, como o telespectador poderá conferir na série Os Donos do Tempo, sobre as Sete Profecias Maias, que o canal Infinito vai mostrar às quintas-feiras de junho e julho, a partir de amanhã, às 20 h.Os Maias previram, a partir de seus estudos científicos sobre o universo e da precisão de seus calendários, quando a tragédia aconteceria. A ciência maia era baseada em sua relação com o Sol.Há décadas, cientistas se dirigem às ruinas das cidades maias para estudar as datas e números gravados nas pedras, decifrando, assim, aos poucos, a misteriosa mensagem dos "donos do tempo".No episódio de amanhã, será discutida a Primeira Profecia. Segundo ela, em 22 de dezembro de 2012, o Sol receberá um raio que, sincronizando o centro da galáxia, iniciará um novo ciclo. Será o fim da era de materialismo e destruição em que vivemos, e o início de uma etapa de respeito e harmonia. Mas, antes disso, o homem deve optar entre desaparecer como espécie que atenta contra o planeta ou evoluir para um processo de integração com o resto do universo.Desequilíbrios - A Segunda Profecia (dia 14) anuncia que, a partir do eclipse de 11 de agosto de 1999, as transformações físicas do Sol já alterariam o comportamento humano. A Terceira (dia 21) é particularmente assombrosa.Nela, os Maias asseguram que a conduta antiecológica do homem aumentará a temperatura da Terra e produzirá desequilíbrios climáticos e geológicos, com a conseqüente evaporação da água dos solos e incêndios florestais. A Quarta Profecia fala de uma onda de calor que provocará o derretimento de gelo dos pólos, inundando regiões costeiras. A Quinta é particularmente, digamos, profética. Diz que se o homem não sintonizar seu comportamento com o ritmo da natureza e das galáxias, antes de 2012 verá falhar todos os sistemas sobre os quais se sustenta nossa civilização: colapso da rede elétrica, de informática, do sistema econômico e da religião. A Sexta Profecia é bem apocalíptica. Fala da alta probabilidade de que um cometa se choque com a Terra - mas sustenta que é possível desviar sua trejetória, por meios físicos ou psíquicos. E a Sétima traz uma mensagem de esperança. Ou seja, a partir de um esforço para obter harmonia com a natureza e o cosmos, o homem pode integrar-se ao ritmo da galáxia e reduzir os efeitos nocivos das profecias anteriores. Que os deuses maias digam amém.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.