Série enfoca os grandes mestres do terror

Eles são mais terríveis do que os personagens e dramas que criam. Ao movimentar câmeras ou provocar o jogo de luzes e sombras, manipulam cada fibra, cada víscera do espectador. Gênios na arte de tirar o fôlego, diretores como Alfred Hitchcock, John Carpenter e Dario Argento estão em Mestres do Terror, série que o canal People + Arts exibe até sábado, sempre às 21 h, com reprises no dia seguinte, à 0 h e às 16 h.Hoje, programa em duas partes traz o estilo de viver e filmar do mestre Hitchcock, cuja vida tem episódios tão bizarros quanto seus filmes. A primeira parte mostra que o diretor movia-se pelo desejo de ter fama e fortuna, por meio de filmes que fossem feitos à sua maneira. Ou seja, com imagens que revolvessem até as idéias escondidas no inconsciente do público. Tamanha pretensão fez de seu início de carreira um episódio arriscado. A segunda parte, às 22 h, é uma homenagem ao cineasta, que entre os anos 50 e início dos 60 realizou plenamente seu desejo. Alcançou reiterados sucessos de bilheteria com os clássicos Intriga Internacional, Psicose - e a arrepiante cena do chuveiro -, e Os Pássaros.Amanhã, às 21 h, a série foca o mestre italiano Mario Brava, que abandonou a carreira de pintor para trabalhar na indústria cinematográfica e criar, anos depois, revolucionárias técnicas de iluminação. Considerado um dos maiores iluminadores em seu país, Brava foi chamado para trabalhar no primeiro filme italiano de terror da era do cinema falado, The Devil´s Commandment. Além da estética do terror, a morte une Brava a Hitchcock: morreram no mesmo mês e ano, abril de 1980.A série ainda retoma Alfred Hitchcock. O programa da quarta mostra a relação do diretor com o produtor David Selznick, que teve início em meio à produção do filme mais famoso de Selznick, ...E O Vento Levou. Na quinta, o cineasta em destaque é outro italiano, Dario Argento, mais um excêntrico gênio criador que resolveu arrepiar os cabelos do público. Com apenas 20 anos de idade, escrevia roteiros profissionalmente. Em 1968, sairia do anonimato como um dos roteiristas de Era Uma Vez No Oeste, de Sergio Leone. Estreou na direção um ano depois, com As Plumas de Cristal.O escritor Stephen King é o nome que encerra a série. O programa traz documentário rodado antes da estréia de À Espera de Um Milagre, filme com Tom Hanks (que dá seu depoimento) e que tem roteiro adaptado de uma obra de King.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.