Série de eventos festeja 50 anos da Bossa Nova

Em abril de 2005, o produtor artístico Rogério Brandão, que trabalhou com diversos nomes da bossa nova e da MPB, lançou a série documental de sete episódios, "Sete X Bossa Nova", a primeira iconográfica do gênero. Premiada em Nova York, a série seria o embrião de um megaprojeto: o evento "Chega de Saudade - 50 Anos da Bossa Nova", que já tem etapas definidas, grande parte dos cantores escalados e 40% do orçamento de cerca de R$ 10 milhões captado.A pouco mais de sete meses para a comemoração dos 50 anos da bossa nova, cujo surgimento data de abril de 1958, Brandão e o empresário Leonardo Soltz acertam os detalhes finais do megaevento. Com o intuito de levantar o restante dos recursos, já foi acertado um espetáculo fechado, em outubro, ainda sem data definida, que ocorrerá no Memorial JK, em Brasília e vai marcar também o lançamento oficial do "Chega de Saudade - 50 Anos da Bossa Nova".De Brasília, o festival segue para a segunda etapa - "Isso É Bossa Nova" -, em três capitais: Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Dedicada a trazer representantes do movimento, como Roberto Menescal, Wanda Sá, Joyce e João Donato, e contemporâneos que sofreram suas influências, como Bossacucanova e Simbora, será realizada entre dezembro deste ano e março de 2008. Atrações internacionais também estão sendo negociadas, como Tommy James e Kristine Mills - pianista e vocalista da Duke Ellington Orchestra -, além do guitarrista John Pizzarelli.No total, serão 27 shows na segunda fase, 9 em cada uma das cidades - e todos gratuitos. Os organizadores informam que o festival percorrerá também, "no mínimo", quatro países - Estados Unidos, Japão e dois europeus a serem definidos. A programação deve integrar ainda a agenda oficial do governo federal para a comemoração do cinqüentenário da bossa. Já em 2009, o projeto deve chegar a outras três ou cinco cidades, além das contempladas na primeira edição. ElencoAlém dos eventos gratuitos, o festival contempla três shows de um seleto grupo de artistas nos teatros municipais de São Paulo e do Rio, e no Nacional de Brasília. O elenco, no entanto, ainda está em definição. Johnny Alf será o grande homenageado, e pode ser que Gilberto Gil e Caetano Veloso revivam canções de Dorival Caymmi, e que João Gilberto cante "Chega de Saudade". Os produtores dizem que as negociações estão em andamento para tornar realidade esse encontro.Brandão é quem está com a responsabilidade de aguçar os egos dos artistas e convencê-los a subir no palco. Segundo ele, Johnny Alf é presença quase garantida, mas um problema de saúde deixa a questão no ar. Caetano topou, mas perguntou sobre a participação de Gil. O cantor e ministro da Cultura disse que está dentro, mas, segundo Brandão, depende de acertos contratuais. A grande ambição, no entanto, é mesmo João Gilberto. Ele ainda não sinalizou sua participação. O público também poderá apreciar o festival em uma apresentação open air nas três cidades, com duração de quatro horas e que reunirá a Turma da Bossa Nova misturada a artistas da nova geração. Em São Paulo, o show será no Parque do Ibirapuera, e em Brasília, na Esplanada dos Ministérios. No Rio, ocupará a Praia de Copacabana.AgendaQuem também entra na série de espetáculos é a produtora SSMM/Fred Rossi, com o Agenda Bossa Nova, que terá início já a partir de amanhã, com uma temporada de shows no Tom Jazz, em São Paulo. Carlos Lyra, autor de canções como "Lobo Bobo", "Coisa mais Linda" e "Se É Tarde me Perdoa", está no programa, assim como Marcos Valle, Jana Viscardi, João Donato e Roberto Menescal. A Agenda Bossa Nova contempla uma série de 12 finais de semana de shows até 1º de dezembro.O produtor Fred Rossi aproveita a série do livro-agenda "Anotações com Arte", lançada em 2003, dedicada a Vinicius de Moraes, para este ano homenagear os 50 anos do gênero. A agenda 2008, que já está pronta, mais uma vez com texto do jornalista e dramaturgo Oswaldo Mendes, será lançada hoje, às 19 horas, na Livraria Cultura, do Conjunto Nacional, em São Paulo, com presença confirmada de Carlos Lyra. Além dos shows no Tom Jazz, nos meses de abril e maio do ano que vem, o projeto vai se deslocar para atender universitários paulistas em 15 cidades, como Campinas, Ribeirão Preto, Santos e São José do Rio Preto. Essa parte do projeto, que terá Os Cariocas, Cris Delanno, Wanda Sá, entre outros, está orçada em pouco mais de R$ 1 milhão. A previsão é de que a Agenda Bossa Nova continue no segundo semestre, com expansão para cidades de outros Estados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.