Série ameaça reinado de Harry Potter

A cena tornou-se famosa e é sempreaguardada pela platéia recheada de adolescentes: um homem deolhar juvenil, vestindo terno escuro e gravata listrada, entraapressado na livraria e, diante daquela pequena multidão,desculpa-se: Infelizmente, o escritor Lemony Snicket nãopoderá vir ao debate de hoje, pois ainda se recupera da picadadesse inseto (ele abre uma caixinha e exibe um besouro negro)que sofreu na axila, no piquenique de ontem. Enquanto osjovens riem, ele continua: Assim, como representante literário legal e social do senhor Snicket, venho aqui para lhestransmitir sua mensagem. O homem, que se apresenta como Daniel Handler, passaentão a tratar do assunto que atraiu para aquela livrariaamericana dezenas de meninos e meninas com idade variando dos 11aos 14 anos: a coleção Desventuras em Série, cujos oitovolumes já editados nos Estados Unidos venderam mais de 4milhões de exemplares. E sete deles conseguiram a proeza de semanter simultaneamente na lista de infantis mais lidos do jornalThe New York Times. No Brasil, a coleção é lançada pelaCompanhia das Letras e o volume mais recente, o quinto,Inferno no Colégio Interno (208 páginas, R$ 24,50), chegourecentemente às livrarias. Lemony Snicket, na verdade, não existe - é o pseudônimo(ou alter-ego) de Handler, um sujeito de 32 anos com aparênciatípica dos freqüentadores das mais tradicionais universidades (onome que escolheu para assinar os livros lembra vagamente umaprocedência britânica) e que chegou ao mercado editorial no fimde 1999, momento em que o fenômeno Harry Potter atraíapraticamente todo par de olhos com menos de 14 anos. Handler, porém, surgia na contramão: logo de cara,alertava os leitores de que o livro que tinham nas mãos erabastante desagradável, pois conta a infeliz história de trêscrianças muito sem sorte. Harry Potter também não era feliz coma família postiça que o abrigava, mas, ao se descobrir dono depoderes especiais, foi transportado para um mundo paralelo ondepraticamente tudo se resolvia com uma varinha e um punhado depalavras mágicas. Já os irmãos Baudelaire, os principais personagens dacoleção Desventuras em Série, não são nada afortunados. Opróprio autor observa que, na classificação das pessoas maisinfelizes do mundo - e você sabe que elas não são poucas -, osirmãos Baudelaire ocupam sem dúvida o primeiro lugar. Logo decara, eles perdem os pais em um incêndio. E, o que parecia umconsolo, a herança de uma fortuna, transforma-se em um pesadofardo. Violet, Klaus e Sunny Baudelaire só poderão dispor dodinheiro quando o primeiro atingir a maioridade. Mas Violet tem14 anos, Klaus apenas 12 e Sunny não passa de um bebê. Assim, osirmãos são obrigados a viver sob a guarda de tutores, que poucose preocupam em trazer algum conforto. Isso os obriga a passarinvernos à base de sopas frias, trabalhar em serrarias e aindamorar em um casa infestada de caranguejos. Não bastassem esses problemas, os Baudelaires são aindaperseguidos pelo maléfico conde Olaf, cujo único interesse éusurpar o dinheiro reservado para as crianças. Por isso, meus amiguinhos, continua Handler,substituindo Snicket na reunião com os leitores que se amontoamnaquela livraria americana, não leiam esses livros, pois sócontam uma triste história. As crianças adoram e obviamentenão seguem o conselho, aumentando as vendas da coleção à medidaque chega ao seu final - estão previstos 13 volumes, mas nadaimpede uma prorrogação se o apetite dos leitores não forsaciado. Handler, que evita ser fotografado desde que atingiu osucesso (ele prefere não ser identificado como autor dashistórias, mas como representante de Lemony Snicket), diverte-secom esses encontros mercadológicos promovidos por sua editora.Aos poucos, as crianças imaginam que eu sou alguém fingindoser alguém que também finge ser outro alguém, afirma,gargalhando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.