'Serial Killer' mexicana é condenada a 759 anos de prisão

Uma ex-praticante de lutalivre conhecida como "Matavelhinhas" foi condenada nasegunda-feira, no México, a 759 anos de prisão por terassassinado 16 idosas e por 12 acusações de roubo, em um doscasos de matadores em série mais notórios nos últimos anos nopaís. Juana Barraza, uma mulher de feições carrancudas, e queteria sofrido abusos sexuais quando criança, escolhia suasvítimas ao acaso. Ela costumava disfarçar-se de enfermeira ouse oferecia para lavar-lhes as roupas, para ganhar suaconfiança, disseram as autoridades dois anos atrás, quando elafoi presa. Barraza percorria as ruas oferecendo ajuda às mulheresidosas, depois as acompanhava até suas casas e as estrangulavaou espancava até a morte. "Fica imposta uma pena de 759 anos e 17 dias de prisão",disse o funcionário da Justiça Adolfo Rodríguez Campuzano aoler a sentença da acusada, detida desde o início de 2006. Além disso, Barraza terá de pagar uma multa de 10.000dólares ou valor equivalente em dias de trabalho comunitário,acrescentou o funcionário. Conhecida como "a dama silenciosa" nos tempos em que eralutadora, a mulher disse à polícia, depois de ser detida, quematava por vingança contra as anciãs porque, quando criança,sua mãe a deu de presente a um homem que abusava sexualmentedela. Depois de escutar a sentença, Barraza disse, segundo aimprensa local: "Que Deus os perdoe e não se esqueça de mim." A mulher tem cinco dias para encaminhar uma apelação dasentença, da qual cumprirá 50 anos de prisão, a pena máximaestabelecida pela legislação mexicana. (Reportagem de Anahí Rama)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.