Di Cavalcanti
Di Cavalcanti
Imagem Roberto DaMatta
Colunista
Roberto DaMatta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Seria carnavalesco se não fosse vergonhoso

O carnaval foi “inocente” enquanto as iníquas polaridades sociais brasileiras eram parte do jogo-jogado

Roberto DaMatta, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2021 | 03h00

O carnaval é uma festa de reversão. Uma ironia coletiva marcada por uma resistência à “dura realidade da vida”. Resistência que se manifesta com fervor, fora na esfera política, numa festa. O que se recusa no carnaval, portanto, não é a riqueza imoral dos malandros populistas, mas uma estrutura social que se perpetuava como abençoada ou “naturalizada”. 

Neste tipo de rito, havia limites para certas fantasias como a de padre, militar ou juiz. Você pode se fantasiar do que quiser, mas não deve ultrapassar o plano da troça. Como no cinema, o fim do mundo acaba quando o filme termina. Mas essa ontológica diferenciação funciona somente no Brasil da bandeira e na Constituição; ela não faz parte do mundo real no qual as autoridades constituídas são as que mais desmoralizam, carnavalizando o Brasil. 

*

O carnaval foi “inocente” enquanto as iníquas polaridades sociais brasileiras eram parte do jogo-jogado. Reverter hierarquias era central no carnaval enquanto “brincadeira”. Mas, no mundo globalizado, transparente e igualitário de hoje, sumiu a distinção entre o sério e o jocoso. Ficou mais difícil mentir e sabotar. 

*

Quem ditou tal transformação? 

Não foi o STF nem o Congresso ou uma CPI. Foi a consciência de igualdade republicana em conflito com os limites dos superiores protegidos do riso dos inferiores, que descontavam carnavalescamente sua opressão. Assim, aqueles que pelo seu sofrimento não deveriam rir ou “brincar” em vez de trabalhar, agora poderiam trocar de lugar. No carnaval, somos obrigados a ficar alegres. E um amigo afirma que, como políticos, temos que roubar...

*

O carnaval vira um zumbi quando a igualdade deteriora as hierarquias familísticas e jurídicas tradicionais. 

A igualdade obriga a ver o outro como um alternativo, não como um superior ou inferior. É certo que as desigualdades são enormes, mas muito mais flexíveis. Hoje, elas competem com uma mobilidade social que os governos tentam impedir. 

Ademais, hoje o carnaval também escapou de um calendário sagrado. 

*

Carnavalizar é permitir um encontro a ponto de não se saber mais quem são os atores e os espectadores. Num sentido amplo, o carnaval subverte a ordem. Se “vale tudo no carnaval”, sabemos que o mundo é feito de proibições porque o Brasil ainda é uma aristocracia fantasiada de democracia – ambas carnavalizadas.

*

O princípio geral do carnaval era o de poder ser tudo, sendo pessoa comum. E o que todo mundo quer é “se arrumar”. 

Ser fidalgo e ter cabedal, fazer, desfazer e controlar quem aplica as leis e assim ficar livre das subordinações de um sistema no qual a fonte da modernidade – o trabalho livre – é estigmatizada e desenhada para inferiores. Para escravos negros e subalternos, ou para quem comete crimes comuns.

Conforme ouvimos desce criança: bandidos devem trabalhar de sol a sol. É coisa para escravos que, carnavalescamente, podiam ter escravos. 

*

O sistema é marcado por uma lassidão irresponsável dos seus limites. Tudo o que é legal (que é o “real” dos autos) pode ser interpretado e modificado. Mas os casos dependem de quem vai a julgamento. Um foro privilegiado é incompatível com a igualdade democrática e deveria ser banido. Tal privilégio é, obviamente, uma figura aristocrática e fascistoide, pois ela neutraliza o axioma segundo o qual todos os seres humanos são intrinsecamente livres e iguais. 

Em consonância, o “paciente” (como dizem, com queda poética e isenção medicinal, os juízes do supremo) não é marcado pela eventualidade do seu crime, mas por formalismos absurdos num mundo tocado a internet. 

São essas cambalhotas legais que não cabem mais. Seria carnavalesco – os legalismos surreais promovem uma troca de lugar, fazendo dos bandidos seres injustiçados e dos xerifes, meliantes inquisitoriais, se não fosse vergonhoso. 

No Brasil, o voto não reforça a democracia igualitária – ele privilegia os eleitos. A eleição carnavaliza, reconstruindo privilégios e fazendo o presente controlar o passado. Não estamos em 2021, mas num orwelliano 1984. 

É ANTROPÓLOGO SOCIAL E ESCRITOR, AUTOR DE ‘FILA E DEMOCRACIA’ 

Tudo o que sabemos sobre:
Roberto da Matta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.