"Senhora do Destino" tropeça no calendário

Seria bom que Aguinaldo Silva resolvesse de uma vez em que ano (ou década) se passa a novela Senhora do Destino. Pelas idades dos filhos de Maria do Carmo (Suzana Vieira), deve ser no início dos anos 90 - informação, aliás, dada pelo próprio autor em recente entrevista. Pelas referências políticas ("pelo menos, bem ou mal, estamos numa democracia"), idem, era Collor. Pelos modelos dos carros, pode ser qualquer coisa, dos anos 50 ao século 21. Pela gíria ("bombado", "bolado", "bombou" - termos ditos por Shao-Lin e pelo falso francês, dono do restaurante M. Vatel), estamos claramente em 2004. Agora: se for pelos avançados programas de computador ao alcance de qualquer repórter, passamos de 2004, já que, ao que se saiba, se não estivermos nos EUA, mal e mal a Polícia dispõe desse equipamento para "envelhecer" rostos. Outra falha de contexto, coisinha bem simples de evitar, diz respeito à moeda corrente no País. A loja de Maria do Carmo, em plena era Collor, já tem materias à venda em real. O erro se repetiu, há alguns dias, quando Helena Ranaldi sacou uma nota de R$ 10, em cena, para pagar um rapaz. Cecília ThompsonTrama da novela esquenta essa semana Apesar dos tropeços, a trama da novela deve esquentar essa semana. Quem acha que vilão de novela só fica mau de verdade no final da história, vai se surpreender com as maldades que Nazaré (Renata Sorrah) vai arquitetar nos próximos dias. Depois de roubar Lindalva, a filha de de Maria do Carmo, e matar seu marido (Tarcísio Meira), ela vai atormentar a vida de Cláudia (Leandra Leal), sua enteada. Na cena que vai ao ar amanhã, Cláudia recebe o telefonema de um corretor de seguros e descobre que o pai havia feito um seguro de vida. Mas, antes que a garota consiga saber detalhes sobre o assunto, Nazaré arranca o telefone das mãos dela. Chocada com a atitude da madrasta, ela cobra explicações sobre seu gesto e tenta descobrir o que o tal corretor queria. Nazaré tenta enrolar a moça, mas ela não acredita em suas palavras e as duas começam a discutir. Cláudia pressiona a madrasta, mas ela logo arma uma chantagem emocional e foge do assunto. Para encerrar o assunto, a vilã rasga e queima a apólice de seguro e jura que Cláudia nunca saberá sobre o dinheiro. Ainda nesta semana, Nazaré vai chantagear Do Carmo com notícias sobre sua filha desaparecida e objetos que pertenceram ao bebê.

Agencia Estado,

03 de agosto de 2004 | 11h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.