Senado pede agilidade contra falsificação de arte

Em audiência pública no Senado, o artista plástico goiano Siron Franco pediu hoje uma legislação mais eficaz contra a falsificação de obras de arte. Após o testemundo de Siron, um dos artistas que mais sofrem com clonagem de obras, as comissões de Educação e de Constituição, Justiça e Cidadania decidiram pedir à Câmara que aprecie com urgência projeto de lei do senador Edison Lobão (PFL-MA), aprovado pelo Senado em 2001, segundo a Agência Senado. O projeto prevê punições para os falsificadores, além de determinar a destruição do clone.Siron compareceu ao Senado atendendo ao chamado da senadora Iris de Araújo (PMDB-GO), segundo quem são falsificadas cerca de 600 obras por ano no Brasil. O artista contou que é comum que obras clonadas apreendidas voltem ao mercado. "Esse tipo de crime lesa o patrimônio pessoal do colecionador, mas também lesa o patrimônio cultural do Brasil", disse Siron. O artista elogiou especificamente o trecho do projeto que prevê a destruição da obra falsificada, a partir da avaliação de uma comissão a ser criada no Ministério da Cultura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.