Seminários discutem obra de Cecília Meireles

De amanhã a quinta-feira, aUniversidade de São Paulo promove um encontro crítico paracomemorar o centenário de nascimento de Cecília Meireles. Estãoprevistas as participações de professores de universidadesportuguesas (Fernando Cristóvão, da Universidade Clássica deLisboa, Margarida Maia Gouveia, da Universidade dos Açores, eAlmeida Faria, da Universidade Nova de Lisboa) enorte-americanas (Joaquim-Francisco Coelho, de Harvard, eDarlene Sadlier, da Indiana University), além de nomes ilustresda crítica literária brasileira, como Alfredo Bosi, AlcidesVillaça e Telê Ancona Lopez."Cecília é um dos autores mais traduzidos e estudadospor estrangeiros. Talvez em decorrência do caráter menos datadode sua lírica, de sua opção preferencial pelos temas universaisou ´eternos´", afirma Leila Gouvêa, autora do recém-lançadolivro Cecília em Portugal (Iluminuras) e integrante dacomissão organizadora do ciclo. "Um dos professores convidados,Joaquim-Francisco Coelho (Harvard), diz considerá-la comopoetisa do nível ´de um Keats, de um Eliot´; Darlene Sadlier temum excelente estudo em inglês, publicado nos EUA, sobre suapoética, já esgotado; Fernando Cristóvão pesquisou oreconhecimento mais unânime da crítica portuguesa à estaturapoética ceciliana, em relação à nossa própria crítica - que sedividiu entre aqueles que a colocam no patamar dos maiorespoetas e o de uma certa corrente acadêmica que até agora nãoprestou suficiente atenção a sua obra."Segundo Leila, a obra de Cecília "é cada vez maisestudada, até mesmo na USP, a ponto de um docente estimar que asua será uma das obras mais estudadas no futuro próximo". Leiladiz ainda que as edições de seus livros se esgotamsucessivamente (a editora Nova Fronteira está lançando sua obraem prosa, com organização de Leodegário A. de Azevedo). "Tudoisso revela que ela de fato ficou entre nossos grandes autoresdo século 20. É hora, portanto, de tentar compreendê-lamelhor."O evento prevê, na abertura, amanhã, a leitura de poemasde Cecília Meireles por uma de suas filhas, a atriz MariaFernanda, e por Rubens de Falco, e a apresentação, no dia 7 denovembro, no Centro Cultural São Paulo, do espetáculo Co(e)mCecília.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.