Seminário no Espírito Santo discute as relações da arte atual

O sucesso da primeira edição aumenta a expectativa para a segunda edição do Seminários Internacionais Museu Vale do Rio Doce, que começa nesta quarta-feira, 14, em Vila Velha, no Espírito Santo. Se no ano passado os encontros tratavam da arte e o pensamento, agora as discussões serão em torno dos sentidos e sua relação com a arte contemporânea. Já na abertura, nesta noite, a professora Eliane Escoubas, da Universidade de Paris, aborda o tema O Nada, o Sentido e a Arte Contemporânea. Em seguida, será lançado o livro Sentidos e Arte Contemporânea, uma coletânea que reúne os textos apresentados nos debates. Filósofo e diretor cultural do Louvre, Jean Galard faz na quinta a primeira palestra do dia, quando vai tratar da política na arte contemporânea. Segundo ele, a relação pode tanto ser militante como decorativa. Ou ainda a arte pode se posicionar de forma a garantir sua autonomia, sem o risco de elaborar soluções. Participa, da mesma mesa, o professor Renato Janine Ribeiro, que vai apresentar a relação entre a arte e o mal, que aparece desde o século 19, com Flores do Mal, de Baudelaire, até chegar ao mundo contemporâneo, marcado pelo ataque às torres gêmeas, em Nova York. A segunda mesa de quinta continua no mesmo assunto ao tratar da política da arte contemporânea. O filósofo Peter Pál Pelbart e a artista Mônica Nador discutem o terrorismo como nova narrativa. Ou seja, a violência, o medo e a abjeção como elementos artísticos. Os debates continuam no sábado, quando será analisado o espaço na arte contemporânea, e se encerram no domingo, quando as discussões giram em torno do corpo na arte contemporânea. Mesmo quem não puder ir a Vila Velha poderá acompanhar as palestras via internet e até baixar gratuitamente os arquivos de texto pelo site.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.