Seminário da Unctad discute aspecto econômico da cultura

A cultura deu a largada nasdiscussões da 11.ª Unctad, a Conferência Internacional dasNações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento. Foi na Oca doIbirapuera, ontem pela manhã, e deu-se na forma de umseminário sobre indústrias criativas. A ênfase do seminário, noseu primeiro dia, foi no aspecto econômico da cultura. Hoje, porexemplo, segundo dados da BrasilConnects (que hospeda o evento),65% das empresas no Brasil patrocinam eventos culturais. O setorabocanhou 3% do bolo publicitário em 2003 e terá 7% em 2004. O evento, que parecia pacato, acabou tendo algumas"alfinetadas" entre participantes. "Correndo o risco de sercortado pelo nosso gentleman...", disse o embaixador EdgardTelles, referindo-se ao presidente da mesa, o inglês JohnHowkins, que administrava com severidade o tempo de exposições. Telles, que representou o MinC, criticou a concentraçãode conteúdos nos países hegemônicos, que "apagam as diferenças eameaçam singularidades", e avaliou a atual situação da culturados países periféricos. "Passaram a exportar exotismo, para emseguida consumir sua própria imagem filtrada pela culturahegemônica."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.