Semente atrevida de dois cantadores cabras da peste

O título do disco de estreia dos dois artistas pernambucanos não saiu de nenhuma das canções, mas sim da então novidade tecnológica com que foi gravado, o sistema de áudio quadrafônico, tio-avô do surround dos home-teather e cinemas de hoje. O meio era a mensagem. Ou então só marketing da gravadora Copacabana, que correu para lançar o trabalho de duas novidades pescadas no Festival Internacional da Canção de 1972, o último da era dos festivais. Alceu Valença e Geraldo Azevedo haviam se apresentado juntos com o mestre Jackson do Pandeiro no Maracanãzinho e mostraram que dali podia sair um caldo novo. Hermeto Pascoal teve o nome cogitado para ser o arranjador e regente do trabalho, mas quem assumiu a empreitada foi o maestro tropicalista Rogério Duprat. Alguns ecos do movimento ressoam em Virgem Virgínia, mas o estilo regionalista globalizado que consagraria Alceu anos depois é que dá o tom do disco, todo calcado na viola e no violão da dupla. Talismã, obrigatória no repertório dos parceiros até hoje, é um dos destaques, mas quem brilha é a incendiária Planetário.

Edmundo Leite, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2011 | 00h00

ALCEU VALENÇA & GERALDO AZEVEDO

QUADRAFÔNICO

EMI/Copacabana

Preço: R$ 26

ÓTIMO

OUÇA TAMBÉM

EU MENTI PRA VOCÊ

Artista: Karina Buhr Álbum: Eu Menti pra Você Gravadora: Independente

Preço médio: R$ 27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.