Sem tumulto e com desmaio

Menos de dez minutos após McCartney ter deixado o palco, as arquibancadas do Beira-Rio já estavam vazias. As mais de 50 mil pessoas que assistiram ao show saíram tranquilamente do estádio, sem ocorrências graves, segundo a Brigada Militar.

Lucas Nobile, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2010 | 00h00

Do lado de fora, a principal via de chegada e saída do local, a Avenida Padre Cacique, estava entupida, com a multidão dificultando a passagem dos carros pela rua. A reportagem do Estado andou cerca de 40 minutos até conseguir encontrar um táxi disponível, longe da confusão.

Durante o show, houve uma série de altos e baixos em relação à organização. Uma das principais falhas, que atesta mais uma vez a ganância dos produtores em ganhar dinheiro com atrações internacionais de grande envergadura, como Paul, foi o tamanho exagerado da pista premium. Estava lotada, mas é uma sacanagem com o restante do público. Deveria ser menor, já que muita gente do setor privilegiado mal sabia cantar os sucessos de Paul.

Outro ponto que deixou a desejar foi a área reservada para deficientes. Havia um lugar destinado a cadeirantes, mais elevado, para proporcionar uma melhor visibilidade, mas que se mostrou insuficiente. "É um sinal de avanço. Eu nunca tinha visto uma área dessas em shows aqui em Porto Alegre. Tinha visto apenas no show do U2, no Morumbi, em São Paulo. O acesso ao estádio e estacionamento foi muito bom, mas a área mais alta é pequena, sem contar que tem muito acompanhante tomando o lugar que era para ser nosso", reclamou o historiador Marcelo Parker, de 37 anos.

Ao lado do setor para deficientes, o ambulatório ficou bastante movimentado até o fim da apresentação. A maioria das ocorrências era causada por desidratação. Muitas pessoas desmaiaram devido ao forte calor (36 graus) que fazia até a hora da abertura dos portões, às 17h30. Também houve reclamações em relação ao estado dos banheiros químicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.