Sem rivalidades, poetas vivem clima cordial em Goyaz

O clima é de perfeita cordialidade: os poetas ´invandiram´ a cidade deGoiás e convivem harmoniosamente como amigos, almoçando juntos,conversando pelos bares da cidade, participando dos debates. Profissionaisda área editorial, que convivem há mais tempo com escritores (poetas emparticular), acreditam que a convivência pacífica é motivada essencialmentepor serem eles realmente amigos. "Há muita rivalidade nessa área, a pontode alguns não comparecerem a certos eventos por causa da presença deoutros", contra um dos profissionais, que pediu anonimato.A disputa entre os poetas, conta ele, é grande. Há sempre a luta pelapublicação mais rápida de seu trabalho, a participação em um maiornúmero de projetos culturais, uma exposição mais acentuada na mídia. "Emmuitos casos, formam grupos em que um elogia o outro, a fim de que ambossejam beneficiados."A situação foi até declaradamente comentada por Affonso Romano deSant´Anna, em sua apresentação pública. "Claro que não difere de outrasclasses trabalhistas, como advogados ou arquitetos, mas o meio literário se assemelha, muitas vezes, a um serpentuário dos maisperigosos, em que a luta pelo poder parece não ter fim."Polidos, os organizadores não comentam sobre o assunto mas já sequestiona sobre o rumo que deverá tomar o próximo festival, uma vez queo número de estrelas, em um determinado momento, deverá escassear.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.