Stephanie Jasmin/Divulgação
Stephanie Jasmin/Divulgação

Sem atores, canadense inventa um novo teatro

Denis Marleau constrói peça 'Os Cegos' a partir de projeções, sem nenhum ator em cena

30 de julho de 2010 | 06h00

É sem nenhum ator em cena que o diretor Denis Marleau constrói o espetáculo Os Cegos, que o Sesc Pinheiros recebe hoje, amanhã e domingo. A partir de projeções, a montagem da companhia Ubu Theatre, de Montreal, reproduz no palco os rostos dos atores, elimina sua presença física, e coloca em pauta os próprios limites entre o que é e o que não é teatro. Sentado em cima do palco, na penumbra, o público deve acompanhar de perto a agonia de um grupo de 12 cegos. Perdidos em uma floresta, eles não sabem que seu guia está morto, caído no chão, e acreditam que ele ainda voltará para buscá-los.

 

A produção, que passou pelo Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto na semana passada, retoma em nova chave a fábula simbolista escrita por Maurice Maeterlinck, em 1889. Em entrevista ao Estado, o diretor canadense conta que não se preocupa em definir seu trabalho como teatro e defende que, sem a interposição da presença dos atores, o espectador estará ainda mais livre para se projetar e se reconhecer no texto.

 

Você define o espetáculo como uma fantasmagoria tecnológica. Por quê? Você acredita que o próprio espectador é imerso nessa experiência fantasmagórica?

Esse subtítulo evoca as experiências do físico belga Robertson, que inventou o fantascópio no fim do século 18: uma espécie de lanterna mágica que projetava figuras fantasmagóricas que se moviam dentro de criptas obscuras. Maurice Maeterlinck, que falava constantemente da recordação nas suas primeiras obras, interessava-se muito por esses jogos pré-ótica do cinema. Em suas anotações, esse aspecto era frequentemente mencionado. Eu queria fazer justamente um jogo entre essa noção ilusionista e as novas tecnologias de hoje.

 

Como e por que você pensou em montar o texto dessa maneira, a partir de projeções? Você acredita que esse formato materializa, de certa maneira, a própria concepção simbolista de Maeterlinck?

Maeterlinck joga com sensações sutis e abre questões metafísicas sem solução. Além disso, implicitamente, ele põe em pauta a questão da representação: como mostrar em cena a espera existencial desses 12 cegos em uma floresta escura? O simbolismo de Maeterlinck coloca coisas muito concretas, baseadas em uma verdadeira humanidade, em uma espécie de privação da alma.

 

Você acredita que a experiência do teatro se mantenha mesmo sem a presença de atores em cena? Onde lhe parece estar essa fronteira entre o que é e o que não é teatro? Quais são as questões instauradas pela ausência de atores em cena?

Criei esse espetáculo no museu de arte contemporânea de Montreal. Nunca me perguntei se isso era teatro ou não. Tentei inventar uma forma que iria colocar em órbita toda a forma poética do texto, a voz mais próxima de seus abismos, suas sensações. Essa experiência me fez refletir sobre essa graça que pode se operar mesmo sem a presença do ator e que ainda assim não é cinema. Existe um verdadeiro encontro do espectador com uma dramaturgia, uma poética e um tipo de presença que se refere a ele mesmo, a sua própria posição, a sua solidão.

 

Os Cegos - Sesc Pinheiros (70 lug.). R. Paes Leme, 195, 3095-9400. Sexta, 21h e 23h; sáb., 18h, 20h e 22h; dom., 16h, 18h e 20h. R$ 20. Até 1º/8.

Tudo o que sabemos sobre:
Os Cegos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.