Selton Mello, impecável como Johnny

A Porta Mágica

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2010 | 00h00

14H15 NO SBT

(The Magic Door). UK, 2007. Direção de Paul Matthews, com Jenny Agutter, Patsy Kensit, Anthony Head.

A cada 100 anos, um Troll procura pela porta mágica que poderá levá-lo de volta para casa. A bruxa negra sempre finge ser princesa para impedi-lo de achar o caminho, mas desta vez ele vai contar com a ajuda dos pequenos Liam e Sally, além do elfo Flip. Fantasia para plateias infantis. Reprise, colorido, 90 min.

Meu Nome Não é Johnny

22H05 NA GLOBO

Brasil, 2008. Direção de Mauro Lima, com Selton Mello, Cléo Pires, Cassia Kiss, Julia Lemmertz, Rafaela Mandelli, Eva Todor.

Selton Mello é excepcional como o jovem carioca que, nos anos 1980, ingressou no tráfico. Sem arma nem violência, usando quase que exclusivamente seu poder de persuasão, ele virou o poderoso chefão das drogas na zona sul do Rio, abastecendo a burguesia e a intelectualidade endinheirada. O filme produzido por Mariza Leão baseia-se no livro de Guilherme Fiúza sobre João Guilherme Estrella. Ou seja, a história, que muitas vezes parece uma ficção delirante, é real. Não deve ser mera coincidência que o diretor Lima se sinta mais à vontade nas partes em que o personagem sobe na hierarquia do crime, revelando um desejo de, digamos, transgressão. Quando ele se arrepende, a trama fica muito mais "classe média" (e menos interessante). Reprise, colorido, 107 min.

Doa - Vivo ou Morto

23H NA RECORD

(Doa: Dead or Alive). EUA/Inglaterra/Alemanha, 2006. Direção de Corey Yuen, com Jaime Pressly, Eric Roberts, Holly Valance, Devon Aoki.

Eric Roberts faz médico que, em sua ilha, organiza o torneio Dead or Alive, no qual os melhores lutadores do mundo (cada um em seu estilo) são forçados a participar de duelos mortais. O filme concentra-se nas lutadoras - uma campeã de luta livre, uma ladra e uma ninja assassina. O diretor Yuen é especialista em cenas de ação. O cartaz da Record deve valer pelo menos por elas. Reprise, colorido, 87 min.

Intercine

2H30 NA GLOBO

A emissora exibe o preferido do público entre - 13º Distrito, sólido e explosivo policial francês de Pierre Morel, com Cyril Raffaelli, David Belle, Tony D"Amario e Bibi Naceri, sobre policial que se infiltra em região violenta que, no futuro próximo, foi isolada pelo governo francês; as autoridades ameaçam detonar um míssil para acabar com o problema e o herói corre para desmascarar a violência oficial; e Quando a Vaca Vai pro Brejo, de Walt Becker, com Jerry O"Connell, Bridgette Wilson e Ryan Reynolds, sobre rapaz que recebe ultimato da namorada: ou se casam ou a festa termina; ela viaja a trabalho, dando tempo para que ele decida, mas surge outra garota e a confusão está

Formada.

Amanhã

A Globo exibe amanhã, no Intercine, o preferido do público entre - Desejo a Três, de Skav One, com Brian White como rapper que vira gigolô para saldar dívidas (EUA, 2004, fone 0800-70-9011); e 7 Segundos, de Simon Fellows, com Wesley Snipes como ex-militar de elite, agora ladrão internacional, que luta para resgatar integrantes de sua quadrilha, presos por gângsteres russos durante tentativa de assalto "perfeito" (Romênia/Inglaterra, 2005, fone 0800-70-9012).

TV Paga

Conrack

22 H NO TCM

(Conrack). EUA, 1974. Direção de Martin Ritt, com Jon Voight, Paul Winfield, Hume Cronyn, Madge Sinclair.

O diretor Ritt se atracou várias vezes com o tema do racismo, ao longo de sua carreira. Aqui, ele mostra Jon Voight como professor que tenta levar a grande cultura a estudantes negros de uma comunidade pobre. Tudo bem que Beethoven faz parte do patrimônio da humanidade, mas em nenhum momento Ritt e Voight discutem o que seria a identidade daquelas crianças e o patrimônio de sua cultura. Lágrimas de Esperança (Sounder), que o cineasta havia feito três anos antes, também com Paul Winfield, era muito melhor. Reprise, colorido, 107 min.

Um Violinista no Telhado

2h05 NO TELECINE CULT

(A Fiddler on the Roof). EUA, 1971. Direção de Norman Jewison, com Topol, Norma Crane, Leonard Frey, Molly Picon, Rosalind Harris, Paul Mann, Paul (Michael) Glaser.

A figura do violinista no telhado integra a tradição judaica e impregna as histórias de Sholem Aleichen que inspiraram a peça de Joseph Stein, com canções da dupla Sheldon Harnick-Jerry Brock. O diretor Jewison, numa fase em que flertava com o gênero musical - fez depois Jesus Cristo Superstar -, conta aqui a história de Tevye, o leiteiro que tenta manter a tradição num mundo que se transforma rapidamente. Topol tem a interpretação de sua vida na pele do protagonista e existem belas cenas, como a do casamento da filha mais jovem, quando ele canta Sunrise/Sunset ("Is this the little girl I"ve seen?"). Isaac Stern é quem executa os solos de violino e, quanto ao violinista solto no ar, você também o encontra nas telas de Marc Chagall. Reprise, colorido, 181 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.