Seleção da semana

A "rapera" chilena Anita Tijoux é a melhor notícia deste domingo na área do hip-hop. Amparada por uma banda orgânica, ela é sem dúvida uma das maiores expressões femininas do hip-hop sul-americano atual. Os pais foram exilados na França nos anos 70 quando ela era criança, pela ditadura de Pinochet. Ana Maria Tijoux só voltou ao Chile em meados dos anos 90.

O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2012 | 03h09

Anita canta ladeada por um poderoso grupo de metais, e dois pilotos de laptop e teclados no outro extremo do palco. A música mais impactante de Anita é 1977, que compôs em 2009 (teve duas indicações para o Grammy) e é também o ano em que nasceu. Pulsante, suingada, encontra Anita fazendo rimas que conectam uma certa intelectualidade universitária ao gueto mais indignado.

Pouca gente passou batida por 1977, a canção. A música foi eleita no site do Radiohead, por Thom Yorke, como uma das "canções para se ouvir longe do escritório" tempos atrás. Chamada para lançar seus discos pelo mesmo selo de Justice, Diplo, Roots Manuva e Aphex Twin, Anita ganhou também as paradas norte-americanas. O New York Times a elogiou. A Rolling Stone também. Mas Anita não se deslumbrou: suas rimas perseguem uma maturidade artística que ela pretende exemplar. Por quê?

"Tem uma coisa que é chave: há aqui um condicionamento - a cultura, a educação, tudo sugere que você nunca vai ser ninguém. É tipo 'louco, nasceste em Maipú, vá à escola, senão não vais ser ninguém'. mas no fundo a gente quer que isso seja mentira. Creio que, na minha família, sem querer, me inculcaram isso. E isso gerou raiva, frustração de acreditar que nascemos para coisas pequenas. Porém, se você propõe e busca, e joga de maneira inteligente, consegue. É isso que está se passando com o hip-hop chileno. Há uma mudança de mentalidade, como fez Bielsa com a seleção de futebol", disse, ao jornal El Mercurio. / JOTABÊ MEDEIROS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.