Seleção da Semana

FESTIVAL NATURA NÓS

, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2011 | 00h00

Quando: Sáb., a partir de 15 h; dom., a partir de 14 h. Onde: Chácara do Jockey. Av. Pirajussara, s/ nº, tel. 4003-1527. Quanto: R$ 180/ R$ 450.

O FOLK MACIO DE LAURA

Menos badalada do que seus colegas de jornada, armada apenas de seu violãozinho e um olhar perdido no chão, a cantora inglesa Laura Marling estreia no Brasil neste fim de semana, no festival Natura Nós. É uma espécie de Joan Baez da era dos cereais granulados. Laura tinha apenas 16 anos quando arrombou a festa da cena musical britânica, em 2007, e desde então tem sofisticado muito seu folk baladeiro. Já tinha integrado a banda indie Noah and the Whale. Hoje, aos 21 anos, já usando com alguma propriedade seções de cordas e os arranjos, ela desembarca com um disco recente, I Speak Because I Can (Falo Porque Posso, de 2010), um "antigo" (Alas I Cannot Swim) e uma coleção de pequenos hits delicados: My Manic and I, Ghosts, Devil"s Spoke, entre outros.

Laura toca numa jornada que tem astros consagrados, como Jack Johnson e Jamie Cullum, mas tem pinta de que pode roubar a tarde. Lembra um pouco a israelense Keren Ann, a americana Suzanne Vega ou a francesa Colleen (codinome de Cécile Schott), mas tem um nervosismo que a põe também muito próxima das folk singers dos anos 1960/70. Também compõe seus próprios temas, em geral, algumas letras tingidas com o encarnado da tragédia, o que a coloca como uma avis raras em meio a tantas intérpretes. Grandes festivais já são uma coisa corriqueira na carreira da garota de Hampshire. Então - apesar de fazer um som delicado, de natureza acústica - deverá encarar sem problemas o público gigante previsto para essa jornada em que Jack Johnson é a estrela. Laura também não é mais uma newcomer: no Mercury Prize do ano passado, concorreu com o peso pesado Radiohead, Adele, British Sea Power, Burial, Elbow, Estelle, Neon Neon, Robert Plant e Alison Krauss, entre outros. Numa estação cheia de cobras criadas, convém prestar atenção em Laura Beatrice Marling, seu nome de batismo. / JOTABÊ MEDEIROS

ETTORE SCOLA 80 ANOS

Quando: 3ª a dom., vários horários - Até 22/5.

Onde: Cinemateca. Largo Senador Raul Cardoso, 207, tel. 3512-6111. Quanto: R$ 8.

UMA MOSTRA ESPECIAL

Ettore Scola completou 80 anos dia 10. Para comemorar o aniversário de um dos mais importantes nomes do cinema italiano, a Cinemateca Brasileira realiza até o dia 22 mostra com nove longas do diretor. Oportunidade rara para assistir na tela grande (em película e em DVD) clássicos como Feios, Sujos e Malvados (hoje, 20h30), Um Dia Muito Especial (5.ª, 18h30), com Sophia Loren e Marcello Mastroianni (foto), Mario, Maria e Mario (dia 22, 20h30) e Nós Que Nos Amávamos Tanto (hoje, 16h30, e dia 21, 20h30). / FLAVIA GUERRA

VIEIRA DA SILVA/ARPAD SZENES

Quando: De 18/5 a 26/6. Abertura 17/5, para convidados. Onde: Instituto Tomie Ohtake. Av. Faria Lima, 201, tel. 2245-1900. Quanto: Grátis.

RUPTURAS DO ESPAÇO

A artista portuguesa Maria Helena Vieira da Silva e seu marido, o pintor húngaro Arpad Szenes, viveram no Brasil entre 1940 e 1947. A relação deles com a arte moderna brasileira e o contexto do período é tema de grande mostra. / CAMILA MOLINA

DUBLINESCA

Quando: 4ª, dia 18, 20 h. Onde: Instituto Cervantes (Av. Paulista, 2.439). O que: Debate com o

escritor Enrique Vila-Matas. Quanto: Grátis.

SENHOR LITERATURA

O fim da literatura (ou, ao menos, de uma fase dela) só poderia ser anunciado por alguém realmente comprometido pela escrita. Só por isso já valeria ler Dublinesca, do espanhol Enrique Vila-Matas, que a Cosac Naify lança quarta-feira, no Instituto Cervantes. Ao lado do jornalista Paulo Roberto Pires, ele vai conversar com o público sobre sua obra, intimamente ligada a outros autores. A oportunidade de ouvi-lo é imperdível. / UBIRATAN BRASIL

HENFIL NOS 20 ANOS DA GIBITECA

Quando: De 19/5 a 17/7. Onde: Centro Cultural São Paulo. Rua Vergueiro, 1.000, telefone 3397-4002. Quanto: Grátis.

MATANDO SAUDADE

Para comemorar os 20 anos da Gibiteca Henfil, o CCSP programou exposição para relembrar seu patrono, Henrique de Souza Filho, o Henfil. Na abertura da mostra, Ivan Consenza, filho do cartunista, faz uma palestra. / ELIANA SILVA DE SOUZA

QUARTETO EMERSON

Quando: Sábado (21) e domingo (22), às 21 h.

Onde: Sala São Paulo. Pça. Júlio Prestes, s/nº, tel. 3258- 3344. Quanto: R$ 70 a R$ 140.

CORDAS PRECIOSAS

Era difícil arriscar o veredicto, mas com a aposentadoria do Alban Berg ficou mais fácil: o Emerson é o maior quarteto de cordas do mundo. Quer tirar a prova? Eles tocam a partir de sábado na Sala São Paulo, pela Cultura Artística. / JOÃO SAMPAIO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.