Seleção da Semana

NATIMORTO

, O Estado de S.Paulo

24 Abril 2011 | 00h00

Direção. Paulo Machline (Brasil/ 2009, 92 minutos). Elenco: Simone Spoladore, Lourenço Mutarelli e Betty Gofman. Estreia prevista para sexta.

O VERDADEIRO MUTARELLI

Há uma cena de nu frontal de Simone Spoladore - e ela é tão deslumbrante, com tudo em cima - que a galera masculina vai ficar ouriçada, mas este é um atrativo (perdão, Simone) um pouco secundário de Natimorto. O longa que Paulo Machline adaptou do romance de Lourenço Mutarelli estreia na próxima sexta-feira, um ano e meio depois de integrar a seleção da Première Brasil no Festival do Rio de 2009. O filme é muito bom.

A grande preocupação do diretor Machline era não fazer do seu Natimorto o Cheiro do Ralo 2.

Sem desdenhar do belo filme de Heitor Dhalia, ele acha que O Cheiro do Ralo era pop e sua intenção foi colocar na tela o universo de Lourenço Mutarelli como realmente é. Machline contou com uma colaboração decisiva - o próprio Mutarelli faz o papel do protagonista.

Lançado em 2004, o romance conta a história de um agente musical que fuma um maço de cigarro por dia e lê seu futuro através das imagens antitabagismo contidas nas embalagens - como se elas fossem um baralho de Tarô, compondo um destino trágico, do qual ele não conseguirá fugir. O próprio Mutarelli diz que a ideia do livro surgiu das imagens de advertência que o Ministério da Saúde tornou obrigatórias nas embalagens de cigarros. Os tabagistas podem não desistir de seu vício, mas precisam conviver com aquelas cenas de horror.

Fracassado no casamento, o Mutarelli ator (personagem?) vê em sua nova aposta, uma cantora vinda do interior, a chance de dar a volta por cima e executar um plano bastante ousado - ele simplesmente quer se isolar para sempre do mundo. Ele vai e vem em seu apartamento (e vida). O clima é sufocante, claustrofóbico. A fumaça do cigarro impregna as imagens. Simone Espoladore pode ficar mítica como a Marlene Dietrich imortalizada por Josef Von Sternberg numa série de obras-primas. / LUIZ CARLOS MERTEN

MARCELO CAMELO

Quando: Quinta (28), sex. (29), sáb. (30), às 21h30; Dom. (1º), às 18 h. Onde: Sesc Pompeia - Choperia (Rua Clélia, 93, tel. 3871-7700). Quanto: Esgotado.

O LIRISMO DE CAMELO

Experimentando e com a intenção de que cada instrumento soasse mais estanque um do outro em relação ao disco anterior, Marcelo Camelo gravou sozinho alguns temas de seu novo álbum, Toque Dela. No palco, ele será novamente acompanhado pelos paulistanos do Hurtmold (que também tocam no CD). Em turnê, ele apresenta a sinceridade de suas melodias e letras facilmente assimiláveis, mas nem por isso menos ricas em lirismo e beleza, como Ô ô, Tudo Que Você Quiser, Acostumar e Pra te Acalmar. / LUCAS NOBILE

JEAN MANZON

Quando: De 29/4 a 28/6. Abertura na quinta-feira, às 20 h, para convidados. Onde: Galeria FASS. Rua Rodésia, 26, tel. 3262-1719. Quanto: Grátis.

ESPAÇO PARA A FOTO

Mostra com fotografias do francês Jean Manzon, que viveu no Brasil e ficou famoso por seu trabalho na revista O Cruzeiro, marca a abertura da galeria FASS (Fotografia Histórica e Autoral)de Pablo di Giulio e Monica Vendramini. / CAMILA MOLINA

BARBARITO TORRES

Quando: Sábado, 23h. Onde: Grazie a Dio. R. Girassol, 67, 3031-6568. Quanto: Pista, R$ 100 (1º lote) e R$ 200 (2º lote); cadeira, R$ 150 (1º lote) e R$ 180 (2º)

O DOCE BÁRBARO

Aos 55 anos, o músico cubano Bárbaro Alberto Torres Delgado, universalmente conhecido como Barbarito Torres, é uma instituição da Ilha. Ele, que integrou os míticos grupos Buena Vista Social Club (cujo disco, produzido pelo guitarrista Ry Cooder, ganhou um Grammy) e Afro Cuban All Stars, toca alaúde e carrega no instrumento o legado da música campesina, ou "guajira". No conocen? Então corram./JOTABÊ MEDEIROS

OSESP

Quando: Quinta e sexta, às 21 h; sábado, às 16h30. Onde: Sala São Paulo. Praça Julio Prestes, 16, tel. 3223-3966. Quanto: De R$ 24 a R$ 135.

MAHLERIANOS A POSTOS

A Sala São Paulo vai receber esta semana concertos que estão entre os mais aguardados da temporada da Osesp: de quinta a sábado, o maestro Isaac Karabtchevsky rege a Sinfonia n.º 9 do compositor austríaco Gustav Mahler. / JOÃO LUIZ SAMPAIO

PALCO ITINERANTE - CIA. FRATERNAL

Quando: Hoje, 15h. Até outubro. Onde: Parque do Ibirapuera. (Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº) e outros parques da cidade. Quanto: Grátis.

UM PALCO QUE ANDA

A Fraternal Cia. de Arte e Malas-Artes lança hoje o projeto palco itinerante. Em cima de um caminhão de 11 metros, o grupo percorre os parques da cidade com dois espetáculos: Auto da Paixão e da Alegria e Sacra Folia. / MARIA EUGÊNIA DE MENEZES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.