Seleção da Semana

A SENHORA DE DEBUQUE

, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2011 | 00h00

Quando: Sexta e sábado, às 21 horas - Até 6/3. Onde: Sesc Pinheiros. Rua Paes Leme, 195,

telefone 3095-9400. Quanto: R$ 32.

ELES ESTÃO DE VOLTA

Programadas para esta semana, duas estreias trazem atores veteranos de volta aos palcos da cidade. Sexta é a vez de reencontrar Sergio Britto e Suely Franco, que repetem uma antiga parceria em Recordar É Viver. Já no sábado, Karin Rodrigues encarna o papel-título de A Senhora de Dubuque, texto de Edward Albee, inédito no Brasil.

Afastada do teatro desde a morte de Paulo Autran, em 2007, Karin retorna na pele da misteriosa Elizabeth. "Uma entidade quase metafísica", nas palavras da própria atriz.

Sob a direção de Leonardo Medeiros - que também marca sua volta à posição de diretor após um hiato de dez anos -, a atriz divide a cena com Alessandra Negrini, num delicado e perigoso jogo de identidades. Não se sabe ao certo quem é essa senhora que afirma ter vindo visitar a filha à beira da morte. Não é possível estar seguro sobre quais seriam suas verdadeiras intenções. Constantemente, o espectador flutua entre dúvidas e certeza desfeitas. E, assim como costuma fazer em seus outros textos, o autor de Quem Tem Medo de Virginia Woolf? não economiza em sarcasmo e nas tintas sombrias na hora de construir seus diálogos.

Sarcasmo também é ingrediente essencial na história que o jornalista Hélio Süssekind conta em Recordar É Viver. Em seu primeiro texto a ser montado no teatro, o autor delineia personagens às voltas com um mundo em ruínas. Mas que não perdem a ironia na hora de tratar dos próprios problemas. Parceiros desde os anos 1960, Suely Franco e Sergio Britto interpretam um decadente casal de classe média, que tem como principal preocupação o destino do filho caçula: um aspirante a dramaturgo que, aos 30, ainda vive com os pais.

Cabe ao experiente Eduardo Tolentino a condução da encenação, que estreou no ano passado no Rio de Janeiro e cumpre temporada no Sesc Consolação. / MARIA EUGÊNIA DE MENEZES

EM ALGUM LUGAR

Direção: Sofia Coppola. Gênero: Comédia

dramática. Elenco: Stephen Dorff, Elle Fanning, Chris Pontius. Estreia programada para sexta

A ESCOLHA DE SOFIA

Em Algum Lugar deu o Leão de Ouro em Veneza a Sofia Coppola. Não sem alguma polêmica, pois o júri era presidido por Quentin Tarantino, seu ex-namorado. Nepotismo retrospectivo à parte, o filme tem seus méritos. Fala de um ator solitário, Johnny Marco (Stephen Dorff), que mora em hotel (o célebre Chateau Marmont, em LA), e é farrista compulsivo. Tem uma filha adolescente com a qual estreita laços em viagem à Itália. Simples e humano, aborda, sem discurso, a vacuidade das celebridades. Vale. / LUIZ ZANIN ORICCHIO

DOMINGUINHOS

Quando: Terça, às 15 horas. Onde: Sesc Itaquera. Av. Fernando A. de Matos, 1.000, tel. 2523-9200. Quanto: R$ 1,50/ R$ 7.

HERDEIRO DO BAIÃO

A primeira sanfona lhe foi presenteada pelo mestre supremo, Luiz Gonzaga. Seu estilo fluido lhe rendeu parcerias primorosas com a nata da MPB, de Gil a Roberto Carlos. Dominguinhos é um patrimônio da música nacional. / JOTABÊ MEDEIROS

A DURAÇÃO DO DIA

Quando: quarta-feira, dia 26, às 19h30.

Onde: Livraria Cultura do Shopping Bourbon

(Rua Turiaçu, 2.100). Quanto: grátis

PROSA DE ADÉLIA

Um livro novo depois de dez anos é motivo de comemoração. É o que acontece na quarta-feira, quando a poeta Adélia Prado vem a São Paulo lançar A Duração do Dia (Record), no qual ela novamente mantém um diálogo com Deus - em seus versos, estabelece-se uma ponte com a transcendência e uma crença na perenidade da carne e na eternidade da alma. Além disso, sua conversa é simplesmente envolvente. / UBIRATAN BRASIL

60 ANOS DE TV NO BRASIL

Quando: De 25/1 a 13/3. Onde: Caixa Cultural - Galeria D. Pedro II. Praça da Sé, 111, telefone 3321-4400. Quanto: Grátis.

TELINHA SESSENTONA

Comemorando a chegada da televisão ao País, que se deu em 1950, a Caixa Cultural abre a exposição 60 Anos de TV no Brasil, que reúne equipamentos, fotos, imagens e muitas histórias. Curadoria de Vida Alves. / ELIANA SILVA DE SOUZA

ARRIGO BARNABÉ

Quando: Terça, às 21h30. Onde: Casa de Francisca. Rua José Maria Lisboa, 190, telefone 3052-0547. Quanto: R$ 53.

TEMPO DE BARNABÉ

Sabor de quê? Sabor de venenoooo! Arrigo Barnabé fez, com Clara Crocodilo, uma das grandes revoluções da música popular no Brasil. Continua terrível, levando música às balsas do Tietê, desencaixotando Itamar, cutucando a mesmice. /J.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.