Seleção da Semana

YO YO MA

, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2010 | 00h00

Quando: 3ª e 4ª, às 21 h. Onde: Sala São Paulo. Pça. Júlio Prestes, 16, 3258-3344. Quanto:

R$ 130/ R$ 350 (ingressos esgotados).

VIOLONCELO ESTELAR

Uma das poucas estrelas do mundo clássico adoradas e reconhecidas fora do universo às vezes restrito das salas de concerto, o violoncelista Yo-Yo Ma está de volta ao Brasil. Na terça e na quarta, apresenta-se na Sala São Paulo em recitais que fazem parte da temporada da Sociedade de Cultura Artística. Dos ingressos, não sobrou nem o cheiro - ambas as apresentações estão esgotadas há semanas. Sorte de quem conseguiu garantir seu lugar e vai vê-lo ao lado da pianista britânica Kathryn Stott, em um programa bastante eclético, como já havia acontecido na última vez em que eles estiveram por aqui, em 2007.

De origem chinesa, Ma nasceu na França, onde fez sua estreia com apenas seis anos; mudou-se então para os EUA - e lá, dois anos mais tarde, enquanto estudava na Juilliard School, era apresentado ao público em concerto televisionado, ao lado do maestro Leonard Bernstein. Tem na bagagem 15 prêmios Grammy, uma discografia que ultrapassa a meia centena de álbuns e é sinônimo de técnica impecável, uma sonoridade de tons épicos, largos - e, claro, de carisma.

Não se limita, porém, ao grande repertório, do qual, por sinal, é intérprete de exceção - acaba de ser relançado aqui, por exemplo, pela Warner, seu registro do Concerto Duplo de Brahms com Itzhak Perlman e Daniel Barenboim. O que ele tem proposto, em especial nos últimos anos, é um diálogo estimulante entre épocas, estilos, gêneros. Mesmo quando se aventura pelo universo popular, o faz com qualidade musical e bom gosto, sem se lambuzar no melaço do crossover. Prova é o programa que apresenta em São Paulo: Gabriel"s Oboe, de Enio Morricone; Prelúdio n.º 2, de George Gershwin; Cristal, de Cesar Camargo Mariano; Sonata n.º1, de Johannes Brahms; L, de Grahan Fitkin; e a Sonata em Sol Menor, de Sergei Rachmaninov. / JOÃO LUIZ SAMPAIO

O PROFETA

Nome original: Un Prophète. Direção: Jacques Audiard. Gênero: Drama (155 minutos). Elenco: Tahar Rahim, Niels Arestrup, Adel Bencherif.

EDUCAÇÃO CRIMINAL

Muita gente até não se conforma que o júri presidido por Isabelle Huppert tenha outorgado a Palma de Ouro de 2009 a A Fita Branca. Por melhor que seja o filme de Michael Haneke, havia uma forte torcida, e não apenas da crítica brasileira, para que O Profeta, de Jacques Audiard, fosse o vencedor. O filme ganhou o Grande Prêmio. Estreia na sexta que vem. Tahar Rahim faz o jovem que realiza sua educação criminal na cadeia e o diretor admite que foi influenciado por Carandiru, de Hector Babenco. / LUIZ CARLOS MERTEN

LACUNA COIL

Quando: sáb., 20h. Onde: Espaço Lux (R. Antonio Luiz Valério, 93, SBC). R$ 100 e R$ 150. Vendas: Galeria do Rock (R. 24 de Maio, 62, Ljs. 306 e 315).

METAL PELADO

Disputada por revistas masculinas (contam que a Hustler lhe ofereceu uma bolada para sair nua), a cantora Cristina Scabbia é o epicentro da banda de metal gótico italiana Lacuna Coil, pela primeira vez no País. Show único no ABC. / JOTABÊ MEDEIROS

GUSTAVO FRANCO

Quando: 4ª, às 19h30. Onde: Livraria Cultura/Shopping Villa-Lobos. Av. Nações Unidas, 4.777, telefone: 3024-3599. Quanto: Grátis.

BARDO ECONOMISTA

O que Shakespeare comentaria sobre a atual corrida presidencial brasileira? A provocação partiu de Gustavo Franco, economista, ex-presidente do Banco Central e autor de Shakespeare e a Economia (Editora Jorge Zahar). O tema será discutido na quarta-feira, às 19h30, na Livraria Cultura do Shopping Villa-Lobos. Em sua opinião, o bardo soube aproveitar oportunidades e vislumbrar o mercado de massa, o que explica seu sucesso entre as camadas mais populares. Ali, a moeda de troca era a emoção. / UBIRATAN BRASIL

HELENA PEDE PASSAGEM E É ESBOFETEADA Quando: 6ª (18), às 16 h.

Onde: Praça da Liberdade, Centro.

Quanto: Grátis.

ONDE O POVO ESTÁ

A Praça da Liberdade é o cenário do novo espetáculo do Tablado de Arruar. A partir de sexta, o grupo tenta capturar a atenção dos passantes com uma montagem repleta de melodrama e conflitos ideológicos à la Brecht. / MARIA EUGÊNIA DE MENEZES

O BOBO DO REI

Onde: Teatro Alfa. Sala B. Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, tel. 5693-4000. Quando: Sáb. e dom., às 17h30. Quanto: R$ 24. Até 11/7

O REINO É DOS BOBOS

Shakespeare para crianças? Sim, ele sempre escreveu para todas as idades. Mas o diretor e adaptador Ângelo Brandini reforçou o que há de lúdico na história do Rei Lear e criou O Bobo do Rei, centrado na figura do palhaço. / DIB CARNEIRO NETO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.