Seleção da semana

EDU LOBO

, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2010 | 00h00

Onde: Sesc Pinheiros, Rua Paes Leme, 195, telefone 11-3095-9400. Quando: 6ª e sáb., 21 horas, dom., 18 horas. Quanto: R$ 40, R$ 20 e R$ 10

CANÇÕES PARA DURAR

Certa vez Edu Lobo disse que qualquer elogio que se fizesse a Mônica Salmaso era "pequeno em relação ao seu talento." O que dizer dele próprio, então? Autor de muitas das mais sublimes melodias do cancioneiro brasileiro, o mestre em harmonias está de volta com um punhado de belas canções - entre inéditas e rearranjadas - reunidas no CD Tantas Marés (Biscoito Fino). Mônica, não por acaso, divide os vocais com Edu no acalanto Primeira Cantiga.

De sexta a domingo, ele faz shows com o repertório do disco em São Paulo, no Teatro Paulo Autran do Sesc Pinheiros. Os músicos que os acompanham são os mesmos que gravaram o CD - Cristóvão Bastos (piano), Jurim Moreira (bateria), Alberto Continentino (baixo acústico), Mingo Araújo (percussão), Carlos Malta (flauta e sax) e Lula Galvão (violão). Só fera, como não poderia deixar de ser.

Das 12 canções, 6 foram feitas no ano passado e ganharam letras de Paulo Cesar Pinheiro, 4 são antigas parcerias com Chico Buarque e, das 2 restantes, uma tem versos de Cacaso (Angu de Caroço) e a outra é de domínio público (Senhora do Rio), que ele musicou. Em entrevista recente ao Estado, por ocasião do lançamento do álbum, Edu disse que tem uma tendência a gostar mais das baladas, das canções mais tristes. "Porque acho que elas duram mais tempo."

Boas baladas não faltam no novo trabalho - Coração Cigano, Primeira Cantiga, Qualquer Caminho -, mas os antecedentes nordestinos também dão sinais nas animadas Dança do Corrupião (baião) e Angu de Caroço (frevo). Nos últimos anos, como é natural para quem possui uma longa (e respeitável) história, Edu tem feito poucos discos. Seu trabalho-solo anterior (Meia-Noite) é de 1996. Com 25 títulos (incluindo o atual) em 45 anos de carreira discográfica, tristes ou alegres, as obras-primas são muitas. Edu é da turma de Dorival Caymmi e Paulinho da Viola: só torna públicas as canções lapidadas. Se nunca foi assim, a esta altura da crise do mercado não há por que fazer concessões. Essa arte de tantas marés sempre está aí, no mesmo lugar, mas em movimento. / LAURO LISBOA GARCIA

MOBY

Onde: Credicard Hall. Avenida das Nações Unidas, 17.955, telefone 4003-5588. Quando: 6ª, 21h30. Quanto: R$ 100 a R$ 400

O VIAJANDÃO

No ano passado, o veterano músico, produtor e compositor norte-americano Moby voltou à velha forma com um disco versátil e surpreendente, Wait for Me. Inspirava-se em uma frase de David Lynch, que dizia que, na arte, a invenção é um propósito em si mesma. Mas o novo Moby é apenas o velho Moby em grande forma, com suas reinterpretações do gospel, as apostas certeiras em magníficas vozes femininas, os climas viajandões (é certamente um herdeiro do Pink Floyd). Tudo isso ele traz ao Brasil na sexta. / JOTABÊ MEDEIROS

MÚSICA PARA NINAR DINOSSAUROS

Onde: Espaço Parlapatões, Praça Roosevelt, 158, telefone: 3258-4449. Quando: Sábado, às 21h, domingo, às 20h - até 23/5. Quanto: R$ 30,

HOMENS À DERIVA

Mario Bortolotto divide a cena com o escritor Lourenço Mutarelli e o músico Paulo de Tharso na peça Música para Ninar Dinossauros. O trio interpreta quarentões unidos pela total incapacidade de trocar afeto com mulheres. /BETH NÉSPOLI

LEDA CATUNDA - 1983-2008

Autor: vários. Editora: Pinacoteca do Estado de São Paulo. Onde: Livraria Martins Fontes. Av. Paulista, 509, 2167-9900. Quando: quinta, às 19h

IMPACTO VISUAL

A arte pouco convencional de Leda Catunda poderá ser conhecida por meio do livro que traz imagens de sua produção entre 1983 e 2008, e que será lançado na Livraria Martins Fontes (Av. Paulista, 509) na quinta-feira, a partir das 19 horas. Integrante da chamada "Geração 80", Leda é autora de trabalhos de grande impacto visual que despertam curiosidade e a vontade de tocar a obra. / UBIRATAN BRASIL

MAX ERNST - UMA SEMANA DE BONDADE

Onde: Masp, Avenida Paulista, 1.578, telefone: 3251-5644. Quando: de 23/4 a 18/7. Quanto: R$ 15 (grátis às terças-feiras)

COLAGENS DE ERNST

A série de colagens Uma Semana de Bondade, realizada em 1933 pelo surrealista alemão Max Ernst (1891-1976), chega ao Masp, depois de exibida na Espanha. No museu, a partir de sexta, estarão os 184 originais criados pelo artista. / CAMILA MOLINA

ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS

Direção: Tim Burton. Gênero: Aventura. Elenco: Johnny Depp, Helena Bohan-Carter, Anne Hathaway, Mia Wasikowska. Duração: 108 minutos

ALICE RENOVADA

O encontro entre o texto de Lewis Carrol e a imaginação fértil de Tim Burton só poderia dar em coisa boa. E deu. Alice no País das Maravilhas veste roupagem em 3D na história da menina que entra em seu mundo mágico. / LUIZ ZANIN ORICCHIO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.