Seinfeld ainda sobre o nada

Ator americano passeia com colegas em show para a internet

MIKE HALE , THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2012 | 03h08

Deixe que Ricky Gervais chegue à verdade essencial, mesmo que seja na web série alheia. "Você é como um jovem rei, não é?", ele pergunta, sentando-se atrás de uma mesa onde está Jerry Seinfeild, em Comedians in Cars Getting Coffee ("Comediantes no carro tomando café", em tradução livre). Se Seinfeld quer dirigir por aí naqueles carros antigos bacanas com "alguns amigos que ele já viu na TV", tudo o que ele tem a fazer é passar a mão no telefone e ligar. Afinal, pelo amor de Deus, estamos falando de Jerry Seinfeld!

Gervais, como participante de Comedians in Cars, toca em questões com as quais os espectadores devem estar preocupados, como: "O que é exatamente isso e por que isso existe?", com focos e temas surpreendentes para serem levados a um filminho de comediantes.

Dois episódios já foram postados em comediansincarsgettingcoffee.com e em crackle.com, o site online de vídeos do canal Sony. O filme com Gervais está no ar desde a noite de quinta-feira e aparenta ser um jogo de mente e espírito, um modo de apostar baixo. Há algum charme e poucas gargalhadas, o que é mais do que poderia ser dito sobre The Marriage Ref, reality show criado por Seinfeld para a rede NBC em 2010 e que, apesar de todas as expectativas e celebridades envolvidas na brincadeira, à época, não chegou nem perto de um décimo do sucesso da série que deu fama a Jerry Seinfeld.

De fato, aqui a ideia é mais simples e funciona melhor. Seinfeld adquire um carro antigo (que pode ser um Fusca 1952 ou um Austin-Healey de 1967 ), apanha um comediante (Larry David, Gervais) e dirige até uma cafeteria, no caso, a John O'Groats, em Los Angeles. Os dois vão conversando e, ocasionalmente, vai surgindo uma piada pronta - Gervais chega a falar sobre a lua de mel de Hitler.

A verdadeira ação do show consiste nessa coisa aparentemente involuntária que é a conversa entre homens de meia idade dispostos a se divertirem, um com o outro, com debates em torno de boxers versus cuecas convencionais ou chá versus café.

David fica tão eufórico ao ouvir Seinfeld dizer a palavra "devassa" que cospe seu chá pela janela do restaurante. Mais tarde, lá pelos 13 minutos do episódio, ele faz a Seinfeld um óbvio elogio sarcástico: "Você finalmente fez um show sobre o nada" - clara alusão ao seriado sobre o nada, o próprio Seinfeld (1989-98), até hoje aclamado em reprises pelo mundo todo, inclusive no Brasil. Para o canal Sony, Seinfeld é um título com vaga cativa na programação - em duas ou três tentativas feitas para arquivá-lo, a audiência reagiu muito mal.

No contexto online, o que o Seinfeld fez foi como se um dadaísta, fragmentário, pegasse os podcasts das populares entrevistas de Marc Maron com comediantes e, numa roda livre, misturasse a isso o gênero sarcástico do talk show. É como dizer: divirta-se comigo, se quiser, pois isso não está me custando muito.

De qualquer maneira, o que torna Comedians in cars fácil de se ver, ainda que você não encontre nas piadas sobre a autoestima dos comediantes toda essa diversão, é que há um pouco de pensamento e de cuidado com o que tem sido apresentado na série, com oferta de bons raciocínio e até mesmo de certo repertório.

Os vídeos (que incluem uma série de divertidas tiradas com David) são apresentados em um limpo e elegante modelo bem estudado, embora casual, com um logotipo desenhado a lápis. O filme e a edição são surpreendentemente complexos e sofisticados para o formato de uma web série. Múltiplas câmeras, incluindo três montadas dentro dos para-brisas dos carros, são usadas simultaneamente para fazer com que as conversas fluam livremente, sem problemas e sem os cortes que se tornaram a norma de uma nova geração de shows de bate-papo.

Um outro prazer proporcionado por Seinfeld - seja por sua riqueza ou pela influência e controle que exerce no público - é uma evidente falta de colocação comercial do produto, sem aquelas janelas que ferem a estética e a compreensão de tantas séries online. Ele faz apenas publicidade de si mesmo, de seus amigos e de seu amor pelos carros e por café, o que, só por isso, é suficiente para a realização de seu show.

A nova série de Seinfeld já conta com a boa disposição dos milhões de fãs órfãos da série no mundo todo. Catorze anos após o fim daquela produção, o título continua sendo a referência mais forte para o seu elenco, como acontece agora com Veep, nova série da HBO com Julia Louis-Dreyfus, "a Elaine de Seinfeld", que nela interpreta a vice-presidente norte-americana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.