Segredo é o volume de venda

O segredo do livro de bolso é o volume de vendas, já que o preço é baixo. Além disso, segundo o editor da L&PM, é um produto que tem uma venda constante, sem aquele perfil de vendas do livro normal que atinge um pico no momento do lançamento para depois se estabilizar.O mito de que o pocket nao dá certo no mercado brasileiro se deve, segundo Machado à falta de persistência dos editores. Já para Gasparian, uma das barreiras para o deslanche do mercado é a falta de abertura de espaço nas estantes das livrarias. "Aconteceu isso com moda, esoterismo, culinária, assuntos que até pouco tempo não vendiam e que passaram a vender assim que as livrarias abriram espaço para a exibição desses livros".Já Machado identifica nos últimos quatro meses uma grande adesão por parte dos livreiros, que estão utilizando displays próprios para exibição de pockets e destaca ainda a distribuição em pontos diferenciados, como a rede de farmácias Drogão, onde seus livros vendem, em média, de três a quatro mil exemplares por mês em 36 lojas de São Paulo.Para o consumidor, segundo Machado, o livro de bolso representa um risco menor. "Todo mundo já ouvir falar em Romeu e Julieta, de Shakespeare, então se uma pessoa comprar o livro por R$ 5 e não gostar terá perdido pouco dinheiro", diz. Gasparian faz outra comparação: "Eu nunca entrei em uma joalheria, mas já me disseram que pode-se encontrar muito colarzinho mais barato que um vestido. Tem gente que não entra numa livraria porque não imagina que pode comprar ali um bom livro por R$ 4".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.