Sedução massiva

Inventor do trip hop, o som viajandão que dominou Londres nos anos 1990, o grupo [br]Massive Attack retorna mais orgânico

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2010 | 00h00

Houve um verão em Bristol. E ele deixou uma marca profunda na música dos anos 1990, o trip hop. O grupo mais importante dessa leva, o Massive Attack, desembarca na cidade no dia 16 para mostrar a sua invenção do futuro - em cinco álbuns, o grupo vendeu mais de 12 milhões de cópias pelo mundo e gerou legiões de imitadores, como disse em entrevista ao Estado o músico Grant "Daddy G" Marshall, de 45 anos.

Mezzanine, com participação de artistas como a etérea cantora Liz Fraser, do Cocteau Twins, marcou época. Marshall e Robert Del Naja, núcleo seminal do grupo, andaram um tanto afastados na última década. Del Naja enveredou pela produção de trilhas sonoras, e chegou até o Oscar com a trilha original do documentário Trouble the Water, sobre a passagem do Furacão Katrina por New Orleans. Refeita a parceria, lançaram um disco um tanto equivocado, 100th Window, que tinha mais pique de trilha sonora de filme. Mas aí, este ano, pararam com a doideira e voltaram a trabalhar sua melhor arte, lançando o álbum Heligoland, que voltou a mostrar um time de criadores em plena forma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.