Sean Penn critica política internacional dos EUA

Sean Penn não esconde sua revolta contra a políticainternacional dos Estados Unidos. O ator, cujo pai, Leo Penn,foi criticado por simpatizar com o comunismo, disse ao jornalinglês The Guardian que "as pessoas deveriam pegar armas eacabar com o governo americano". Conhecido por detonar osestúdios de Hollywood e a Academia de Artes e CiênciasCinematográficas, Penn disse que ficou feliz com os protestoscontra a reunião da World Trade Organization em Seattle, no anopassado, que terminou em violência. "Nada aconteceu nos últimos20 anos em termos de revolução", disse ele. "Sinto que existeum grande espaço para o ativismo atualmente e eu, vergonhosamente, ainda não participei dele."

Agencia Estado,

12 de outubro de 2001 | 18h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.