Monica Bento/AE
Monica Bento/AE

Seal traz show intimista e com muitos hits a São Paulo

Cantor britânico está em turnê no País para divulgar o novo disco, 'Seal 6: Commitment'

Rafael Andrade - Estadão.com.br,

18 de março de 2011 | 02h52

SÃO PAULO - O inglês Seal fez, na noite desta quinta-feira, 17, em São Paulo, o primeiro de uma série de cinco shows no País. As apresentações fazem parte da turnê de divulgação do 6º disco de inéditas do cantor, Seal 6: Commitment, e abrem espaço, também, para músicas que marcaram a carreira iniciada com o álbum que leva o nome dele, lançado em 1991.

 

Veja também:

video Assista trecho da música que abriu o show, If I'm Any Closer

 

Com apenas quinze minutos de atraso, Seal subiu ao palco do Credicard Hall para começar o show com If I'm Any Closer, do último disco. Emendou com Loaded, do álbum System, enquanto agradecia a presença do público e já dava o tom intimista que marcaria a apresentação. "É muito bom estar no país de vocês. Sinto [o Brasil] um pouco como meu país também. Meu avô é baiano", disse. "Estou feliz em estar aqui. Esta noite, não somos eu, nem você. Somos nós".

 

Seal vestia saruel preta, uma bata sem mangas na mesma cor, jaqueta e sapatos vermelhos. As unhas pintadas de preto, uma corrente e crucifixo dourados no peito, e outra corrente presa no passante da calça, completavam o visual do cantor que, aos 48 anos, ainda esbanja disposição e arranca gritinhos das meninas (já não tão meninas assim) do gargarejo. Ali, no meio do palco, ele recebeu uma flor vermelha de uma fã. Caminhou até o lado direito, dançou sensualmente para uma outra e, ao final de Weight of My Mistakes, finalmente a entregou para a loira - que não era Heidi Klum.

 

 

Mas o momento "nós" evocado pelo cantor no início da apresentação aconteceu mesmo já quase no final do show, quando Seal cantou Kiss From a Rose enquanto a imagem de uma grande rosa delineada era exibida no telão de LED instalado no fundo do palco. De pé, o público que lotava a casa configurada como teatro, com lugares marcados, cantou a balada em um coro regido pelo cantor. A música do álbum Seal II (1994) foi incluída na trilha sonora do filme Batman Eternamente, consolidou a carreira do músico e lhe rendeu, dois anos depois, o prêmios Grammy de música e gravação do ano. Também em 1996, ele levou as estatuetas de melhor performance pop.

 

O repertório do show de Seal em São Paulo incluiu, ainda, os hits Crazy, do primeiro álbum; Prayer for Dying, do segundo (1994); e Love's Divine, do quarto álbum (2003). O cantor circulou com segurança entre as batidas mais dançantes da parte pop do repertório às músicas recentes, mais próximas do soul. Antes de The Way I Lie, contou que a faixa resume o momento que ele vivia nos seis meses em que esteve reunido com a banda para a produção de Commitment.

 

Sábado, Seal canta no Citibank Hall do Rio. No domingo, o inglês se apresenta no Chevrolet Hall, em Belo Horizonte. A turnê brasileira do cantor passa ainda por Brasília, com show no Ginásio Nilson Nelson, dia 23; Fortaleza, no Sirena Hall, em 26 de março; e termina em Recife, onde a apresentação acontece no dia 27 no Chevrolet Hall.

Setlist

If I'm Any Closer

Loaded

Killer

Man's World

Weight of My Mistakes

I Can't Stand the Rain

Soul Medley

Prayer for Dying / Just Like

Love's Divine

The Way I Lie

My Vision

Right Life

Violet

Kiss From a Rose

Crazy

Bis

Amazing

Secret

Silence

Tudo o que sabemos sobre:
SealSeal 6CommitmentKiss from a rose

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.