Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

SBT estreia hoje remake de 'Carrossel' com novidades

O público-alvo são as crianças, mas muitos adultos, mães e pais vão parar em frente à televisão para matar a saudade e a curiosidade de assistir à versão brasileira de "Carrossel", que estreia nesta segunda, às 20h30, no SBT. Uma dessas adultas saudosas é Daniela Beyruti, de 35 anos, filha de Silvio Santos e diretora artística da emissora. Cheia de lembranças dos anos 90, quando, ainda criança, a novela mexicana fez sucesso por aqui, ela foi a responsável pelo remake.

AE, Agência Estado

21 de maio de 2012 | 09h46

"A Daniela sempre dizia que Carrossel deixava as famílias unidas e trouxe a ideia para reunirmos elas novamente", conta a mãe, Íris Abravanel, mulher de Silvio, a cargo da adaptação do texto.

Na retomada da trama da professorinha Helena e seus alunos, a Escola Mundial volta repaginada e a fachada, antes sóbria, ganha uma versão com cores vibrantes. Os personagens centrais da sala de aula estão de volta - Maria Joaquina, Cirilo, Jaime Palilo - e o time foi reforçado com crianças como Valéria, nome da personagem escrita especialmente para a estrela-mirim do SBT, Maísa Silva, de 9 anos. Maisinha, que ganhou fama contracenando com Silvio Santos em seu programa, aparecerá em cena com cabelos alisados.

A professora Helena, vivida por Rosanne Mulholland (que antes fez "A Liga", na Band), terá menos meiguice e mais dor de cabeça. Ela terá uma rival, Suzana, professora substituta, criada para apimentar a história, papel que será de Lívia Andrade. "Escrevi pensando no jeito dela", conta Íris sobre a atriz, que foi capa da Playboy e dá expediente no programa do patrão, de quem é uma das queridinhas. Suzana vai tentar estragar o namoro da professora Helena - sim, agora ela tem namorado - com o professor René (Gustavo Wabner). "Todo mundo gosta de confusão. Eu continuo disputando com a Rosanne, não foi só no teste", brincou Lívia, lembrando que tentou o papel principal, mas não levou.

A paixão platônica do garoto pobre e negro Cirilo (Jean Paulo Santos) pela entojada riquinha Maria Joaquina (Larissa Manoela) se mantém, assim como as gozações dos colegas. "O bullying que mostraremos não será tão pesado como o real, mas prepara a criança para se defender e se tornar um adulto bem resolvido", diz Íris. O preconceito da garota, aliás, marcou a família da autora. "Uma vez, a Renata (Abravanel) acordou no meio da noite chorando por causa das maldades com o Cirilo."

Intérprete da mimadinha, Larissa Manoela, de 11 anos, não teme ser hostilizada. "Quanto mais falarem, mais estarão reconhecendo meu trabalho." A atuação da novata, aliás, espantou o diretor Reynaldo Boury. "Eu perguntei se ela queria colírio para uma cena em que ela tinha de chorar, mas ela chorou mesmo", conta ele, que só tem sofrido mesmo com a bagunça do elenco. "Eles estão sempre aprontando. É uma verdadeira sala de espera de hospício." Ao menos, até o sinal da escola soar. As informações são do Jornal da Tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
televisãoCarrossel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.