Saudades daqueles bons tempos

Quarto e último filme da série Shrek retrata o ogro em crise de meia-idade

Critica, Marcel Nadale, O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2010 | 00h00

Hamm e Lynch não são as únicas razões para se assistir ao filme na versão original (e fique à vontade para economizar os reais extras do ingresso em 3D - o novo formato pouco acrescenta à trama). O elenco de vozes traz de volta Mike Myers (como Shrek), Cameron Diaz (como Fiona), Eddie Muprhy (como o Burro) e Antonio Banderas (como o Gato de Botas, que deve ganhar um filme só seu em 2011). A novidade é Walt Dohrn, chefe de animação do estúdio DreamWorks, que deveria dublar Rumpelstiltskin apenas temporariamente, na pré-produção, mas que acabou se tornando indissociável do personagem.

A contribuição de uma figura em um cargo executivo e criativo joga outra luz sobre o filme. Quando Rumpelstiltskin propõe seu acordo mágico, não está tentando reavivar apenas o auge do protagonista, mas também o da própria franquia. Nunca ela foi tão engraçada (ou relevante) quanto naqueles idos de 2001, quando Shrek se propôs como uma fábula "anti-Disney". Já faz um tempo, porém, que o bobo da corte faz piada às paredes. Sua figura se esvaziou porque passou a ser produzida em massa pela própria DreamWorks (em nove anos, foram quatro filmes e um especial de TV) e reproduzida, também em massa, pelos concorrentes, que absorveram sua linguagem pop e irônica. O "mainstream" cooptou o "outsider", tal qual acontecera no reino Tão Tão Distante.

 

Sobretudo, nesse período de ascensão e queda de Shrek, as animações da Pixar mostraram que não era preciso escolher entre a moralidade infantil da antiga Disney ou a iconoclastia adolescente do ogro. Havia uma terceira via, mais madura.

 

Sem alvo claro onde mirar seu sarcasmo, Shrek para Sempre conquista as melhores piadas com uso da trilha (um dos traços da franquia) e no contraste entre a nova versão dos personagens e o que já sabemos sobre eles. É um modo de homenagear o passado inverso à proposta por Toy Story 3. Você pode até não chorar como no filme da Pixar. Mas também nem rir tanto quanto.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.