Sarney quer adaptar sua obra para a TV

Ele quase não assiste a novelas - o que o atrai na TV são os documentários sobre vida animal, biografias de grandes personalidades e programas jornalísticos. Mesmo assim, o senador peemedebista pelo Amapá e ex-presidente da República José Sarney acha que os folhetins eletrônicos são um meio importante de veiculação da cultura popular. Sarney está em negociações com a Rede Record, que quer adaptar para a TV seu livro de contos Norte das Águas. "Uma das coisas mais fortes no Brasil é a cultura popular, e a novela faz uma ponte entre a literatura e o público", diz Sarney. "O bom é que ela não tem se restringido só aos autores profissionais, que vivem desse ofício, mas está aproveitando também os textos de outros escritores." Por enquanto, o projeto do novo diretor de Teledramaturgia da Record, Del Rangel, está no papel, esperando recursos para ser levado adiante. Se tudo der certo, os telespectadores conhecerão a obra de Sarney em horário nobre (20 h) no ano que vem. "Tudo o que leio penso logo em transformar em novela, filme ou minissérie. Aconteceu isso com O Dono do Mar e Saraminda, do José Sarney", afirma Del. O diretor ficou tão entusiasmado com Saraminda que entrou em contato com um assessor do ex-presidente, pedindo que o sondasse.Contador de casos - Para sua surpresa, Sarney mandou um exemplar do Norte das Águas e sugeriu que se juntassem todos os personagens numa trama. "E, olha, dá uma comédia de costumes maravilhosa!", entusiasma-se Del. O passo seguinte foi um encontro do diretor com o autor: "Ele é um excepcional contador de casos". Mesmo sem ter o dinheiro na mão para produzir Norte das Águas, Del Rangel convidou o senador para ajudá-lo a fazer a sinopse. "Seria importante para dar a essa novela o toque de realismo fantástico de O Dono do Mar, por exemplo. Ele aceitou na hora." Sarney explica por quê: "Não conheço a técnica da novela, não posso me meter naquilo que não sei fazer, mas posso dar palpites. Não imagino deixar algo escrito por mim, assim, solto no pasto...", brinca.Sarney também tem acompanhado a pré-produção do longa O Dono do Mar, que será rodado a partir do dia 15 no Maranhão, com direção de Odorico Mendes. No momento, a Record está em processo de compra dos direitos autorais de Norte das Águas. Segundo Rangel, na semana que vem isso já deve estar resolvido. "É um projeto extremamente audacioso e estou apostando todas as fichas nele. A idéia é trazer grandes nomes para atuarem na novela, chamar a atenção do mercado e da mídia."As cenas externas da novela serão todas gravadas em locações no Maranhão, onde se desenrola a trama, e nos estúdios em São Paulo, com um orçamento previsto de R$ 10 milhões. "As gravações serão principalmente na cidade histórica de Alcântara, com seu folclore, maracatu, belezas naturais, comidas típicas. Será uma história contemporânea, um retrato do País através de uma cidade pequena, que proporcionará muitas risadas", define Del. Desanimado com os rumos da política no País, Sarney disse que pretende dedicar-se cada vez mais à literatura. Aos 71 anos, ele escreve todos os dias. "Como durmo pouco, às vezes vou até de madrugada ou acordo cedo para escrever. Sempre fui muito disciplinado. Nunca deixei que a política invadisse ou estrangulasse esse gosto pela literatura. Agora estou trabalhando no meu terceiro romance, O Solar dos Tarquínios, mas preciso acabar o livro de memórias, Testamento para Roseana. Assim, a disciplina é ainda mais importante."Tempos do poder - Para os autores de novelas, a entrada de José Sarney num mercado tão restrito, de pouca renovação, é interessante e traz curiosidade, já que a maioria não conhece a obra do escritor maranhense. "Acho que histórias que tenham um toque de realismo fantástico são um excelente caminho para a Record. É só pensar que Porto dos Milagres tem alcançado picos de 53 pontos no Ibope. Há sempre espaço para boas obras, principalmente se o tema regional for bem realizado", observa Ricardo Linhares, um dos autores da novela das oito da Globo.Já Benedito Ruy Barbosa acha que a TV precisa de novos autores. "A maioria dos veteranos já está cansada da lida, e, consequentemente, faltam novas idéias e argumentos para tramas." Para Sérgio Marques, que está empenhado, junto com Gilberto Braga, em fazer os capítulos da trama das oito da Globo que será exibida em abril de 2002, um ex-presidente da República escrevendo novelas pode aguçar a curiosidade do público."Mas só nos primeiros dias. Se a história não for boa, o telespectador desiste", observa Sérgio, dizendo que não leu os livros de Sarney, mas tem boas referências dos textos. Maria Carmem Barbosa vai mais longe. "Acho que poderiam retratar a realidade que ele viveu no poder e que a maioria das pessoas não conhece. Ele faria isso com muita propriedade, pela experiência que tem. Se usar o universo fantástico para falar da realidade, tudo bem: pode-se usar metáforas para abrir o verbo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.