Saramago inaugura mostra e fala de forma crítica sobre seu país

Portugal tem 'coisas negativas, mas é meu país', diz escritor, que acha língua portuguesa a mais bonita do mundo

EFE,

22 de abril de 2008 | 15h37

José Saramago reapareceu nesta terça-feira, 22, em Portugal, após uma grave enfermidade no ano passado, para apresentar uma exposição sobre sua vida. Em entrevista aos jornalistas, o escritor português prêmio Nobel de literatura, não levantou polêmica e fez uma apaixonada e crítica abordagem sobre seu país. Saramago disse que já se recuperou da pneumonia que no final de 2007 o deixou com um peso de 51 quilos e em um estado de "múmia andante", como lembrou nesta terça com seu senso de humor ácido. Agora, assinalou, seu estado de saúde encontra-se "aceitável" e ele está trabalhando em um novo livro, preocupado apenas não com a possibilidade de morrer, mas com a de "algum dia não ter o que dizer". Saramago lembrou a polêmica levantada no ano passado em seu país com suas declarações a favor de uma possível união política entre Espanha e Portugal e lamentou as críticas que fizeram a ele os "patriotas com indignação bastante falsa". Portugal tem "algumas coisas negativas, mas é o meu país", disse Saramago, que considerou a língua portuguesa a mais bonita do mundo e sua verdadeira pátria. Disse ainda que os portugueses deveriam "invadir-se a si mesmos", "parar para pensar" e se esforçar para dar à nação o lugar que ela merece ocupar no mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
José SaramagoNobel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.