Leonardo Soares/Estadão
Leonardo Soares/Estadão

São Paulo em letras

Pauliceia Literária leva escritores e leitores ao centro da cidade

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2013 | 02h16

Uma das cidades com maior oferta cultural do País, São Paulo não tinha, ainda, um festival literário como os que são realizados em Paraty, Ouro Preto, Santos ou São Francisco Xavier. A Pauliceia Literária, que começa na quinta-feira, dia 19, e vai até domingo, dia 22, vem preencher essa lacuna. E cumpre, de quebra, outras duas funções: a de levar a população ao centro no fim de semana e a de colocar em destaque um gênero literário que tanto preconceito sofre, o policial - ele não será, porém, o único tema do evento.

Com a presença de autores como Scott Turow, Patrícia Melo, Alberto Mussa, Tony Bellotto, Marçal Aquino, Zlata Filipovic e Valter Hugo Mãe, entre outros, o festival será realizado no charmoso prédio de fachada neoclássica onde já funcionou, desde que foi construído na década de 1940, o Banco Mercantil e a Bolsa de Valores, e onde fica, desde 2002, a Associação dos Advogados de São Paulo (Aasp), o nome por trás da Pauliceia Literária.

Serão 17 mesas de debate, e ainda há ingressos à venda pelo site, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional e na sede da associação - tanto para o auditório quanto para salas com telão. Na frente do edifício, será montada uma tenda. Lá, os convidados autografarão os livros e haverá um café literário e uma estante onde as pessoas podem pegar ou deixar livros.

"Como o festival é realizado pela Aasp, procurei incluir na programação algumas mesas temáticas que fizessem essa ponte entre a literatura e o mundo jurídico, como O Advogado do Diabo, Advogado, Profissão: Escritor e As Letras da Lei, mas procurei também experimentar algo original como Qual É o Tema?, com Ignácio de Loyola Brandão e Eros Graus. Os temas vão ser sugeridos pelo público, via internet, e depois serão depositados em uma urna e sorteados pela plateia durante o evento", comenta a curadora Christina Baum.

Ela tem vasta experiência na área: foi uma das fundadoras da Flip, dirigiu o Festival de Literatura da Palestina e foi curadora da série Brazilian Words do London Literature Festival. O convite para ela pensar o evento do zero e organizá-lo veio de Patrícia Melo, que numa conversa com Luís Carlos Moro, diretor cultural da Aasp, viu nascer a ideia de promover um festival literário em São Paulo. Autora de obras como O Matador e Ladrão de Cadáveres, Patrícia será homenageada nesta primeira edição.

Um conselho formado por diretores da associação ajudou na formatação do encontro. Foi dos advogados, por exemplo, a sugestão de convidar José Garcez Ghirardi, professor da Faculdade de Direito da Fundação Getúlio Vargas e autor de O Mundo Fora de Prumo - Transformação Social e Teoria Política em Shakespeare. Ele estará na mesa Shakespeare e a Lei, com o editor e escritor Rodrigo Lacerda, no sábado.

Mas a participação de Ghirardi na Pauliceia Literária começou antes - e esta é uma das graças do evento. Hoje, às 11 h, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, será a última de cinco aulas de sua oficina Amor e Política em Shakespeare. A entrada é gratuita.

Nesta fase pré-Pauliceia, foram organizados, ainda, 15 grupos de leitura sobre obras diversas. "As contribuições foram inúmeras e muito enriquecedoras. Uma das secretárias da Aasp, por exemplo, esteve em um primeiro grupo de leitura e gostou tanto que participou de mais dois. É um trabalho de formiguinha, mas acredito que esse seja um dos caminhos para fomentarmos a leitura e criarmos novos leitores", diz.

Outro momento emocionante, na opinião da curadora, foi a visita-surpresa de Lygia Fagundes Telles, homenageada no evento com uma mesa que leva seu nome. O grupo se reunia para discutir Antes do Baile Verde. "Quando chegamos à loja da Companhia das Letras - Livraria Cultura, a Lygia estava lá. Ela leu uma nota que saiu no Estado e resolveu aparecer de surpresa. Foi um grande privilégio conversar com a própria autora sobre sua obra." A organização está agora de dedos cruzados para que ela repita a visita no sábado, às 11 h, quando estarão no palco, na sua mesa, Ana Maria Machado, Beatriz Bracher e Luiza Nagib Eluf.

Uma das apostas do evento é o advogado recém-formado Raphael Montes, de 21 anos, autor de Suicidas. "Ele participará da mesa Cena do Crime com o americano William Landay, autor do thriller de tribunal Em Defesa de Jacob. Eles debaterão questões muito pertinentes como o cyberbullying e as 'redes da morte' na internet", conta Baum, que convidou, ainda, dois autores inéditos no Brasil: o escritor, cineasta e roteirista francês Philippe Claudel e o escritor, poeta e professor de escrita criativa da Faber Academy de Londres, Richard Skinner - uma oficina dele está na programação paralela.

Do sucesso da estreia depende o futuro do projeto. "Há um grande desejo de que o festival continue, mas tudo depende desta primeira edição", comenta a curadora.

PROGRAMAÇÃO

Quinta, dia 19

19 h – Abertura - Autor em Foco – Uma visão crítica da obra de

Patrícia Melo

 Sexta, dia 20

9h30 – As Letras da Lei - José Alexandre Tavares Guerreiro e Miguel Reale Júnior

11h – Ignácio de Loyola Brandão conversa com Eros Grau

13h – O apocalipse das Vacas - Juan Pablo Villalobos e Valter Hugo Mãe

15h – Literatura e Cinema -

Philippe Claudel e Richard Skinner

17h – Cena do Crime - Raphael Montes, Luís Francisco Carvalho Filho e William Landay

19h – Advogado, Profissão:

Escritor - Scott Turow

Sábado, dia 21

11h – Mesa Lygia Fagundes

Telles - Ana Maria Machado, Beatriz Bracher e Luiza Nagib Eluf

13h – Brasil de 1808 a 1889 - Laurentino Gomes

15h – Shakespeare e a Lei - O Aspecto Jurídico nas Obras de Shakespeare - José Garcez Ghirardi e Rodrigo Lacerda

17h – Crime e Memória - Crimes Reais e Fictícios e Seus

Contextos Históricos - Alberto Mussa, Boris Fausto e Edney Silvestre falam sobre os seus livros

19h – Mesa Advogado do Diabo (debate sobre um tema polêmico) - Justiça, Violência e Punição - Antônio Cláudio Mariz de

Oliveira, Luiz Eduardo Soares

e Patrícia Melo

 

Domingo, dia 22

11h – Pessoa Existe? -

Jerónimo Pizarro e José

Paulo Cavalcanti Filho

13h – Ficção e Reportagem, Aqui e Acolá - Inês Pedrosa, Pedro Rosa Mendes e Michel Laub.

15h – Pauliceia Estilhaçada

(livros com São Paulo como

cenário) - Maria José Silveira, Marçal Aquino e Tony Bellotto.

17h – Liberdade de Expressão - Noemi Jaffe e Zlata Filipovic

19h – Meus Livros e Nada Mais: autores convidados leem trechos de seus livros preferidos  

PAULICEIA LITERÁRIA

Aasp – Associação dos

Advogados de São Paulo.

Rua Álvares Penteado, 151.

Ingressos – Auditório: R$ 32; salas com telão: R$ 16.

Meia-entrada para associados Aasp, estudantes e terceira idade.

Locais de venda: sede da Aasp, Livraria Cultura

(Conjunto Nacional, Av. Paulista, 2.073)

e www.pauliceialiteraria.com.br. De 19 a 22/9.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.