São Paulo destina R$ 3 milhões para as artes cênicas

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, assinou ontem o documento que destina R$ 3 milhões ao Programa Extraordinário de Fomento às Artes Cênicas (teatro, dança e circo). Com o objetivo de ampliar a produção das artes cênicas, atingindo assim regiões carentes de espetáculos de qualidade no interior do Estado, além de promover a inclusão cultural e a formação de público, o programa visa a atender companhias selecionadas por meio de editais públicos. "Já vem tarde, mas ainda é tempo. Por enquanto está só na promessa, não vi nenhum edital até agora", disse o diretor teatral José Renato. O evento que estava previsto para ter início às 10h30, no Salão Nobre da Secretaria de Estado da Cultura, atrasou meia hora. Ao lado de Alckmin, estiveram presentes o secretário de Estado da Cultura, o cineasta João Batista de Andrade, a atriz Eva Vilma, representando a classe artística, e o homenageado da cerimônia, o dramaturgo e ator Gianfrancesco Guarnieri. "Este momento é de extrema emoção para mim, porque estou no meio de companheiros de profissão, de sensibilidade e de espírito, que darão um grito que, tenho certeza, se desdobrará", disse o ator que estreou, aos 23 anos, em 1958, no Teatro de Arena, com a peça Eles não Usam Black-Tie, após receber a medalha de mérito Ordem do Ipiranga, na categoria personalidade do mundo artístico e cultural, das mãos de Alckmin. Compareceram à cerimônia os atores Oswaldo Mendes, Ariclê Perez, Beatriz Segall, Ruth Escobar e Irene Ravache, os diretores Sergio Bianchi, Toni Venturi e Antonio Abujamra, o presidente da Cooperativa Paulista de Teatro, Ney Piacentini, a presidente da APCA, Leila Reis, entre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.