João Caldas/Divulgação
João Caldas/Divulgação

São dois para lá, dois para cá

Suely Franco está em Seis Aulas de Dança em Seis Semanas, sucesso da Broadway

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

30 Abril 2011 | 00h00

"Você nunca dançou?", pergunta Suely Franco. "Ah, mas então precisa começar. Não sabe o que está perdendo. É endorfina pura", aconselha a atriz de 73 anos, que anda a bailar como nunca. Isso porque é dela o papel de Lily, protagonista da peça Seis Aulas de Dança em Seis Semanas.

Escrito pelo norte-americano Richard Alfieri, o texto que estreou na Broadway já mereceu remontagens em 20 países. Fez tanto sucesso, que está prestes a virar filme, e conta uma história que o leitor certamente terá a impressão de já ter visto ou lido em algum lugar: a de um homem e uma mulher que se conhecem enquanto tomam lições de dança.

A diferença, no caso da peça de Alfieri, é que a dona de casa Lily Harrison e Michael Minetti, o professor de dança interpretado por Tuca Andrada, não vivem propriamente um romance. Entre passos de tango, valsa e foxtrote, o que surge entre eles é uma amizade, capaz de modificá-los e oferecer um novo sentido às suas vidas solitárias. "A peça trata de solidão, que é um tema universal, mas consegue fazê-lo de maneira muito delicada", diz o diretor Ernesto Piccolo.

De personalidades aparentemente antagônicas, Lily e Michael têm suas desavenças quando se conhecem. Ela mora em um grande apartamento diante do mar, foi criada para ser uma boa esposa e se casou com um rígido pastor religioso. Decide dançar para se sentir viva e recuperar certa alegria. A situação dele é outra. Não tem dinheiro. Dá aulas porque precisa sobreviver, é gay e anda um pouco amargurado. Mesmo com tantas diferenças, eles encontram um no outro a possibilidade de compartilhar segredos e sonhos.

Responsável por blockbusters nacionais, como o espetáculo Divã, com Lília Cabral, Piccolo se arrisca pela primeira vez na montagem de um texto estrangeiro. Para criar sua versão, ele ressalva, teve absoluta liberdade. Mas precisou seguir um roteiro preestabelecido de seis músicas - uma para cada lição de dança.

Mesmo sendo uma veterana do teatro musicado, Suely Franco tomou aulas com Carlinhos de Jesus para compor a personagem e relembrar os ritmos da juventude. "Não foi difícil. São todas aquelas danças que a gente aprendia para os bailes de formatura", comenta a atriz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.