Santucci mistura sex shop e família em nova comédia

Logo no começo de De Pernas Pro Ar, a personagem de Maria Paula arrasta Ingrid Guimarães para conhecer sua sex shop. A reação da personagem de Ingrid - uma mulher que foi abandonada pelo marido, perdeu o emprego e tem plena consciência de que está mal-amada - é a pior possível. Diante da loja, ela vacila. Acha aquilo podre - a fachada, o ambiente. Quando entra, o tom é outro. É a proposta da comédia de Roberto Santucci já em pré-estreia, mas que entra oficialmente em cartaz amanhã. A maioria das salas de cinema nem abre hoje.

AE, Agência Estado

31 de dezembro de 2010 | 10h05

O cinema brasileiro, aquecido pelo sucesso de Tropa de Elite 2, espera faturar com essa comédia. Ingrid está animada. "Nosso trailer passa com o do filme do (José) Padilha. Muita gente já me disse que está louca para ver De Pernas Pro Ar."

A cena no começo do texto é particularmente importante, do ponto de vista do diretor Santucci. Há alguns anos, ele fez Bellini e a Esfinge, baseado no livro de Toni Bellotto, com Fábio Assunção no papel do detetive e Malu Mader como garota de programa. A câmera de Santucci captava bem o ambiente sórdido dos inferninhos. Parece que vai voltar àquele universo.

"Para falar a verdade, minha visão era mais podre. Eu queria uma sex shop mais escura. A desenhista de produção foi que veio com aquela proposta e a (produtora) Marisa (Leão) me convenceu de que a plateia feminina ia gostar mais."

O diretor trabalha com um esquema sólido de produção e distribuição e com um elenco de sonho (Ingrid, Maria Paula, Denise Weinberg, Bruno Garcia, entre outros). O ambiente sórdido ganha um tom light. A mulher carente descobre o orgasmo com um coelho de brinquedo, corre atrás do marido com um pênis artificial e tudo culmina numa grande feira de sexo. Safadeza soft. De Pernas Pro Ar quer ser o filme do verão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.