Santa Felicidade: cantina que aposta na fartura

A Santa Felicidade não vai surpreender quem freqüenta as cantinas de São Paulo, pois executa com competência a fórmula que seu proprietário, João Lellis, contribuiu para estabelecer e que manda propor um cardápio imenso, com muitas massas e molhos generosos, com muitos ingredientes e servir pratos mais do que fartos, divisíveis para duas ou três pessoas. Uma fórmula de sucesso, que atrai muita gente e que perdura em muitas casas. Afinal, para que mudar se o time está ganhando?. João Lellis tem experiência no ramo, começou lavando pratos no Gigetto, da Nestor Pestana, e depois foi para a cozinha do restaurante. Saiu da casa para trabalhar com Giovanni Bruno, de cujas casas saíram as idéias e também alguns pratos para as cantinas que levam os nomes de Piero, de Lellis, de Sargento e muitas outras. João Lellis também é dono da Cantina Lellis da Bela Cintra e de outra casa em Curitiba. A Cantina Santa Felicidade segue o padrão, do cardápio à decoração informal, simples, com tirinhas de tecido com as cores da Itália pendendo dos arcos que dividem os salões, muitas fotos de clientes e até algumas estátuas gregas. Salão principal meio quadrado, com mesas com toalhas de tecido quadriculado, um outro ambiente mais estreito na lateral, uma copa onde ficam os frios e entradas da casa, o bar e a cozinha à vista. Um restaurante simples, naturalmente barulhento. À noite, há música ao vivo. Os frios e entradas da Santa Felicidade ficam num balcão de aço inoxidável e são corretos, sem grandes surpresas e são vendidos por quilo (R$ 38). Em frente, uma mesa alta meio rústica com bons queijos. O cardápio é extenso e os preços podem parecer altos, mas é sempre bom lembrar que os pratos são mesmo generosos, fáceis de dividir. São muitas massas, que podem ser combinadas com diferentes molhos. O capeletti Santa Felicidade ilustra uma tendência desse tipo de cantina, a de misturar muitos ingredientes no molho (manteiga, champignons, gorgonzola, creme de leite, catupiry e azeitonas, entre outros, R$ 30,50). Apesar disso, o molho agradou e o capeletti poderia ser mais delicado, com massa menos espessa. Correto o penne com molho de funghi secchi (bastante funghi mesmo, mas pouco gosto, R$ 34,50). O makalu com frutos do mar, uma massa recheada, é uma espécie de símbolo das cantinas de São Paulo. No caso, massa gostosa e molho rico mesmo, com muitos mariscos, camarões e anéis de lula. Mas talvez o melhor prato tenha sido o filé à parmegiana, com o empanado seco, mussarela derretida e gostoso molho de tomate (R$ 41). Gostosa ainda a vitela cortada em lascas e servida com brócolis, que desta vez, com Lellis na casa, estavam al dente (R$ 39).Santa Felicidade - Rua Peixoto Gomide, 1635, Jardins. Tel.: 3083-3588.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.