Sandra Bullock em sua melhor temporada

Chega ao Brasil Um Sonho Possível, que lhe deu o Oscar de melhor atriz

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

19 de março de 2010 | 00h00

Aplicada, ela sempre foi - Sandra Bullock já ganhou elogios, por seu profissionalismo e dedicação, de diretores de prestígio como Barbet Schroeder e Richard Attenborough. Na recente festa do Oscar, foi Forest Whitaker quem teceu loas à estrela. Justamente (Sandra já era uma estrela, antes de se firmar como atriz). Estrela de ação - o primeiro Velocidade Máxima -, de comédias românticas. Altos e baixos, teve muitos na carreira. A fase atual é a melhor - na profissão; na vida afetiva, as coisas parece que andam tumultuadas (leia abaixo).

videoAssista a trecho de Um Sonho Possível

Muitos se perguntam se é justo que uma atriz como Sandra Bullock vença o Oscar por Um Sonho Possível, derrotando Helen Mirren e Meryl Streep. O filme estreia hoje. Justiça é conceito meio estranho no Oscar. Mas o prêmio é democrático e Sandra foi a mais votada pelo colegiado de seus colegas atores e atrizes. Antes do Oscar, recebera os principais indicadores da indústria - o Globo de Ouro, atribuído pela imprensa, o prêmio da Guild (o Sindicato dos Atores).

Sandra já havia feito história quando A Proposta faturou US$ 200 milhões no mercado interno e ela foi a primeira mulher a alcançar a cifra em geral reservada aos homens. Em cerca de 24 horas, também deve ter entrado para o Guinness de recordes - não há registro de outra atriz que tenha ganhado no sábado a Framboesa de pior atriz e, no domingo, o Oscar de melhor. Pelo menos, os filmes não foram os mesmos.

Rotina. Só para ficar entre vencedoras recentes, é no mínimo discutível que Charlize Theron, Halle Berry e Reese Whiterspoon tenham merecido seus troféus. No caso delas, as carreiras ficaram ainda mais erráticas, algumas escolhas foram vexatórias e a vontade é de pedir as estatuetas de volta. Com Sandra você pode ter certeza de que isso não vai ocorrer. Na entrevista abaixo, ela diz que está louca para voltar à rotina. Ela inclui as comédias românticas, por certo, e ocasionais tentativas no drama.

Como Um Sonho Possível. O filme baseia-se numa história real. Conta a história de Preciosa no masculino. O protagonista é o "precioso". Negro, gordo, desajeitado, abusado. Mas ele tem um dom - a ligação com a bola - e só precisa de uma chance - que a personagem de Sandra vai lhe dar. Na tela, Sandra passa a imagem de determinada. Em A Proposta, decide rapidamente que o subalterno (Ryan Reynolds) vai ter de se casar com ela, para permanecer no posto. Em Um Sonho Possível, o marido e os filhos antecipam o impulso - ela vai tirar o precioso das ruas e dar-lhe um lar. Sandra é boa de comédia e honesta no drama. Não é muito mais do que se pode dizer de Jeff Bridges, que também ganhou o Oscar de melhor ator (por Coração Louco). Ele pode ser mais respeitado, mas não é seu melhor papel (e não é mesmo). Um Sonho Possível é melhor do que Preciosa? A mesma história, versão Hollywood. Não é pior - e Preciosa ganhou um monte de prêmios. Talvez seja um pouco melhor. O garoto que faz precioso é ótimo e mereceria ter sido indicado como coadjuvante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.