Salvador resgata tesouros da arte sacra após 60 anos

Uma exposição em Salvador mostra peças sacras guardadas há décadas. Imagens, quadros, crucifixos e alfaias do Convento e Igreja da Piedade poderão ser vistos na exposição Resgate do Acervo da Igreja de Nossa Senhora da Piedade. Será a inauguração do calendário de eventos do Museu Frei Germano Citeroni, que pertence ao convento, reaberto depois de cinco meses fechado.A maioria das peças, produzida entre os séculos 17 e 19, foi colocada no depósito do convento na última grande reforma, na década de 40. As imagens de santos, de características barrocas, haviam sido retiradas de altares laterais para que a decoração interna do templo assumisse o aspecto neoclássico do edifício, construído no século 19.Uma Pietà italiana do século 18, em gesso policromado, impressiona pela profusão de cores e expressão facial. Há também peças em madeira, terracota e papelão prensado. Entre os vários quadros a óleo da exposição, chama a atenção Natividade, cuja autoria é atribuída a José Joaquim da Rocha, um dos principais pintores barrocos em atuação no Brasil no século 18. Outra atração é a coleção de crucifixos que tem o Cristo em marfim e ornamentos de prata. A mais antiga é uma peça de marfim e madrepérola, do século 17. O destaque do acervo de cálices de prata é uma peça monumental de origem italiana e estilo barroco. Na parte de cima, o ourives gravou uma imagem da Santa Ceia, no meio da peça esculpiu o Cristo e embaixo, três patriarcas da Igreja.Serviço - A exposição fica aberta até o fim de setembro, aos sábados e domingos, das 8 às 12 horas e das 17 às 19 horas. Praça da Piedade, sem número, no centro. A entrada é gratuita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.